segunda-feira, 31 de outubro de 2011

INJUSTIÇA contra um TRABALHADOR INOCENTE

O SITE CHAPADA ONLINE (que eu respeito,mas que infelizmente tem adotado umas práticas que não dignificam o bom jornalismo)  não publica comentários sobre POLITICOS COMPROVADAMENTE CORRUPTOS...mas não hesita em mostrar FOTOGRAFIAS de um jovem TRABALHADOR inocente, que foi covardemente espancado. Senhores!...aprendam o significado desta palavra para praticarem O BOM JORNALISMO....IN DUBIO PRO REU. 

Como resultado das políticas públicas do Presidente LULA; O SUCESSO dos oprimidos pipocam de todos os lados/em todos os cantos

Não é lixo, não, é ouro humano

Hoje, um ex-catador de lixo, Solonei Rocha da Silva, ganhou a última das 48 medalhas de ouro no Pan de Guadalajara. Humildemente, disse que a vitória era de todos os catadores, trabalho que ele tinha orgulho de ter tido e do qual jamais se esqueceria.
Também hoje, no Zero Hora – infelizmente não achei o texto na internet – o jornalista Moisés Mendes compara, num artigo em Zero Hora, a atitude de um grupo de garis, ao verem três colegas serem atropelados (dois deles morreram) por uma pick-up Hilux, dirigida por um gerente de banco que voltava de uma “balada”, enquanto capinavam um canteiro da Marginal Pinheiros, em São Paulo, com a atitude do grupo que capturou, espancou e executou Muammar Khadaffi.
Os garis de São Paulo, não lincharam em espancaram o homem que acabara de matar seus colegas. É verdade que houve chutes na porta do carro- ele tinha tentado fugir – e uns safanões, prontamente reprimido por um dos próprios garis, que afastou os colegas mais  exaltados.
Os  episódios me fizeram lembrar das ofensas – certo que seguidas de um formal e rápido pedido de desculpas – dirigidas por Boris Casoy a dois garis que “do alto de suas vassouras”, como disse ele, se atreviam a desejar feliz ano novo aos telespectadores.
Como é bom ver que, apesar do bombardeio de violência e da deseducação que nossa elite brutaliza o nosso povo, sobrevivem nele valores humanos mais civilizados do que em muitos daqueles que se proclamam “modernos” e “civilizados”.
Mas esse sentimento resiste tanto, com tal força, que aqueles dois humildes garis, “do alto de suas vassouras”, Solonei  Silva,  do alto do pódio, e aqueles outros da Marginal Tietê, dão lições a muita gente. Ou deviam dar.

O BRASIL QUE NÃO MUDA...que nos envergonha com o seu racismo latente


Dr. Gurgel tratou ministro preto e pobre de forma diferenciada

Ex-ministro Orlando Silva: preto, pobre, comunista, lulista e dilmista, foi mandado direto para o STF "para averiguação".
(Foto de arquivo do encontro com representantes da CUFA - Central Única das Favelas).

Quando o ex-ministro Antônio Palocci foi acusado na imprensa, o Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, o tratou como se deve tratar a todos os cidadãos: com a devida presunção de inocência.

Não pediu abertura de inquérito no STF imediatamente, como fez com Orlando Silva, tratado como não se deve: com presunção de culpa.

Palocci tornou-se um membro da rica elite paulistana, é branco, e sua consultoria presta serviços ao capitalismo da nata de banqueiros e industriais paulistas (e esse é seu único "crime" provado até agora, de natureza política e não criminal, no episódio da consultoria).

Orlando Silva tem um patrimônio compatível com seu padrão de renda, de classe média (podemos dizer pobre, para os padrões de políticos brasileiros que ocuparam altos cargos),  é negro, socialista, e as denúncias não envolvem grandes bancos nem grandes empresas.

Não vou fazer o que fizeram com Orlando Silva, e não vou enxovalhar a honra do Dr. Gurgel, acusando-o de cometer erros de propósito, por desonestidade. Acredito, de fato, que comete erros, mais por sensibilidade à pressões políticas e ao volume da pressão da imprensa.

Mas quer queira, quer não, essa atitude diferenciada no trato entre os dois ministros, tem em sua raiz o mesmo ranço daqueles policiais mal-treinados para prender preto e pobre apenas "para averiguação".

Também seria demais fazer ilações sobre racismo contra o Dr. Gurgel, pois, justiça seja feita, ele mesmo fez uma bela defesa da política de cotas raciais no STF, contra a ação impetrada pelo DEM (que queria acabar com as cotas).

Mas não custa nada sugerir ao Procurador-Geral refletir um pouco sobre aquela pergunta feita naquela propaganda: "Onde você guarda seu racismo?"

A propaganda e a pergunta não é dirigida à racistas, e sim a quem não é racista, mas acaba reproduzindo, até sem querer, hábitos culturais enraizados na sociedade pela herança da discriminação racial velada no Brasil.

Em tempo: o Dr. Gurgel mandará abrir inquérito no fôro privilegiado do STF para investigar o senador Aécio Neves (PSDB/SP), branco, milionário e capitalista neoliberal,  com base nas investigações do promotor Eduardo Nepomuceno de Sousa, do Ministério Público de Minas Gerais, sobre os contratos com artistas e participação na campanha eleitoral?

FORÇA PRESIDENTE!....O BRASIL E O MUNDO ESTÁ CONTIGO


Corinthians faz homenagem a Lula no Pacaembu


O Corinthians homenageou, na tarde deste domingo, antes da partida com o Avaí, o ex-presidente Lula.  que é é corinthiano.Os jogadores entraram no gramado do Pacaembu carregando a faixa com a frase #forçaLULA. Nas arquibancadas, a torcida também exibiu uma bandeira com a imagem do ex-presidente.
Torcida do Corinthians com bandeira para Lula
Lula foi um importante aliado do Corinthians para que o clube conseguisse emplacar o seu estádio em Itaquera, que está em fase de obras, como palco sede paulista e palco de abertura da Copa do Mundo de 2014.

NOTÍCIA ALVISSAREIRA...estão atracando as ratazanas graúdas....e as miudinhas?...como é o caso de Morro do Chapéu

Ex-ministro Wagner Rossi é indiciado como “líder” de esquema

O ex-ministro Wagner Rossi (Agricultura), do PMDB, foi indiciado pela Polícia Federal como "líder da organização criminosa" que fraudava o Programa Anual de Educação Continuada (Paec) - capacitação de servidores - para desvio de R$ 2,72 milhões. No relatório de 40 páginas da PF que o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso, Rossi será indiciado por formação de quadrilha, peculato e fraude à Lei de Licitações. A investigação descobriu "verdadeira organização criminosa enraizada no seio do Ministério da Agricultura". A PF sustenta que "os investigados, muitos travestidos de servidores públicos, atuavam no âmbito de uma estrutura complexa e bem definida, agindo com o firme propósito de desviar recursos da União". Rossi caiu em agosto, após denúncias de tráfico de influência, falsificação de documento público, falsidade ideológica, corrupção ativa e distribuição de propinas a funcionários.

O BLOG CONGRATULA A VEREADORA Francisca Neide pelo seu retorno ao posto que lhe é de DIREITO...e repudia a atuação MEDÍOCRE do vereador BIÔNICO Glauber Gomes

FIM DA FARRA DO IMPOSTOR
ALELUIA!!! finalmente o Legislativo Morrense colocará na lata de lixo, o vereador (BIÔNICO) MAIS MEDÍOCRE que a casa conheceu. É como diz o velho ditado: INFELICIDADE de uns, FELICIDADE de outros/dos oportunistas...como é o caso do INÚTIL CIDADÃO acima. Apesar de não concordar politicamente com muitas das posições da Vereadora, espero que a mesma tenha uma LONGA VIDA com muita saúde e felicidade...por que qualquer coisa; é melhor do que esse traste BABA-OVO do atual Gestor.

UIIIIII...é agora que os bispos homofóbicos Serristas de IRECÊ E DE GUARULHOS, meterão o dedo nos seus respectivos R..os, de pura raiva. O suposto pedófilo reprimido de Irecê, quando não está ministrando aulas de Primeira-Comunhão aos seus Coroinhas... tem como passa-tempo favorito, criticar um dos MELHORES E CAPAZES políticos do Sertão...o respeitado José das Virgens do Partido dos Trabalhadores do Grande Presidente Lula.

 Da Agência Brasil

Governo elabora protocolo para combater homofobia
Daniella Jinkings
Brasília – A partir do ano que vem, as secretarias estaduais de Segurança Pública vão construir políticas públicas de enfrentamento à violência contra homossexuais. As ações fazem parte de um protocolo de intenções que está sendo elaborado pela Secretaria de Direitos Humanos (SDH) e pelo Ministério da Justiça (MJ).
O protocolo, que deve ser assinado no próximo mês, será apresentado durante a Conferência Nacional LGBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transexuais), em dezembro. De acordo com a secretária nacional de Promoção dos Direitos Humanos da SDH, Nadine Borges, entre as ações estão o monitoramento das políticas contra a discriminação e a criação de redes de proteção para implementar centros de referência.

“Tivemos muitos avanços em 2011, como a decisão do STF [Supremo Tribunal Federal] que reconheceu a união entre pessoas do mesmo sexo como unidade familiar e a criação do Conselho Nacional LGBT. Ao mesmo tempo em que avançamos, vemos um aumento de crimes motivados por homofobia”, destacou Nadine.
Segundo a secretária, dados do Disque Direitos Humanos, o Disque 100, mostram um grande volume de denúncias de violações de direitos de homossexuais. O módulo LGBT do Disque 100 foi inaugurado em janeiro deste ano. Até o dia 30 de setembro, a central recebeu 856 denúncias de violação de direitos da população LGBT, como violência física, discriminação e abuso sexual.
“O principal é a violência psicológica. O percentual atinge 44% das denúncias. Devido ao aumento desses casos de violência resolvemos pensar na constituição desse protocolo”, explicou a secretária.
OLHEM BEM AS BOQUINHAS DÊSSES INÚTEIS MEDIEVAIS QUE ESTÃO MAIS PREOCUPADOS COM O ÚC DOS OUTROS....do que com JUSTIÇA SOCIAL. 

OLHA AÍ O DEDINHO DO BISPO HOMOFÓBICO DEMOTUCANO ANTIPETISTA
DOCUMENTÁRIO DE BBC MOSTRANDO AS CARAS DOS BISPOS HOMOFÓBICOS PEDÓFILOS DA IRLANDA...que estão sob  a proteção do Papa Castrado RATZINGER.
A expectativa, disse Nadine, é que o protocolo de intenções estimule a cultura de combate à discriminação em função da orientação sexual no Brasil.

EM BRIGA DE PADRE CAPITALISTA NARCISO, ninguém mete o bico...pq pode sujá-lo de adreM. Apesar do culto à aparência levado ao extremo por ambos, o Padre Fábio parece se preocupar mais com o bem estar do seu rebanho...contrário ao seu rival; que está mais preocupado mesmo, é com o bem estar...ou retorno dos seus amigos DEMOTUCANOS CANSADOS ao Poder.


OLHA AÍ A CARA DOS PILANTRAS SERRISTAS CANSADOS...toda vêz que eu vejo a foto dêsse Padre Picareta, e a do Papa Castrado RATZINGER: a palavra pedofilia me vem em mente...não sei porque.


Farpas e água benta, em briga de padre midiático


Por Cláudia Stefani
Essa é boa, briga dos padres midiáticos. Meu voto vai pro padre Fábio.

Farpas entre os dois já voaram para lá e para cá. O padre Marcelo, por exemplo, critica o padre Fábio por trocar a batina por camisas de marcas famosas em aparições públicas. Em abril, disse em entrevista: "Já alertei o Fábio para que não deixasse de usar batina. E ele está usando, por acaso? Bem se vê que eu não tenho influência sobre ele". "Eu tive três contatos com o padre Marcelo, dois pessoalmente e um por telefone. E não lembro de, em nenhum momento, ter conversado sobre isso com ele." O assessor de imprensa da Sony, gravadora dos dois padres, cutuca o repórter e pergunta se "isso é o foco da matéria".
 
O padre Fábio prossegue: "Aquilo que ele usa não é uma batina também. É uma espécie de um hábito franciscano, embora ele seja um padre diocesano". As farpas continuam: "O maior padre comunicador da história do Brasil é o padre Zezinho, que nunca usou batina. É um homem que faz um trabalho sério e nunca foi menos padre porque não usa batina".
(...)
No almoço, pede badejo grelhado e penne integral com legumes. Procura álcool em gel na bolsa transpassada preta e cinza, para limpar as mãos. "Minha equipe sempre anda com um", diz. "Só faço isso quando vou comer. Se fizer a cada cumprimento, fico com síndrome de José Serra." A revista "Piauí", em 2009, descreve que Serra usa o produto sempre que cumprimenta estranhos e não tem como lavar as mãos. 
Ao contrário do padre Marcelo, que esconde o voto, o padre Fábio revela que optou por Dilma Rousseff em 2010. "Se eu pudesse, colocaria a mulherada toda no poder." Um e-mail em que ele desejava boa sorte a Dilma no "dia histórico" da eleição foi divulgado quando um hacker invadiu a caixa postal dela. "Me correspondi com ela por um ano. Eu a atendi numa oportunidade na [comunidade católica] Canção Nova. Ficamos amigos."
(...)
O padre critica o uso político do aborto por alguns setores da igreja, na campanha eleitoral. Panfletos contra Dilma foram distribuídos em celebrações, pregando que não se votasse nela por ter defendido a descriminalização da prática. "Naquele segundo turno, vivemos um momento delicado, em que questões importantes poderiam ter sido discutidas e não foram. Parecia, mais uma vez, uma imposição idiota: 'Não vote nela por causa disso'. Depois ninguém voltou a falar do assunto, porque era interesse de ocasião." Para ele, a igreja não pode discutir o tema só na eleição, "para não fazer voto de cabresto quando o povo tiver que decidir".

A QUE PONTO CHEGA A CRUELDADE HUMANA...eu disse humana mas está incorreto, porque quem a pratica; não está na categoria dos humanos...mas sim: dos vermes

Selvageria contra Lula foi "ensinada" pela imprensa 

Não há porque o jornalista Gilberto Dimenstein se espantar com a falta de educação de leitores da Folha em relação à doença de Lula. Nem pode se supreender quando olhar as caixas de comentários dos portais do Estadão, do Globo e da Veja, por exemplo.
A selvageria, que se esconde muitas vezes sob o manto do anonimato, nada mais é do que a continuidade do primitivismo jornalístico praticado por muitos dos seus próprios colegas de trabalho, seja na Folha, seja nos outros veículos acima citados.
O modo como os blogueiros selvagens da Veja - com especial atenção aos dois leões de chácara  Reinaldo Azevedo e Augusto Nunes - se referem ao ex-presidente, e o ódio que eles encarnam, não é muito diferente do modo como alguns representantes de uma classe média deseducada - felizmente, minoritária - se refere àquele que saiu do poder com 80% de aprovação.
Exercícios de falta de educação e decoro jornalístico podem ser encontrados em editoriais - um espaço que, por definição, deveria representar a voz respeitosa dos veículos - do Globo, da Folha e do Estadão, com xingamentos e referências sem escrúpulos a Luis Ignácio da Silva.
Assim como a repulsa mostrada por comentaristas e parajornalistas contra os eleitores de Lula resultou num clima de xenofobia e preconceito jamais observado publicamente neste país, a voz carregada de nojo e ódio de uma Lucia Hipólito - que  não conseguiu esconder o júbilo pela doença de Lula - ou de um Arnaldo Jabor, ou ainda de um Merval Pereira, produzem seus ecos no comportamento de leitores que não conheceram a civilidade e as regras de comportamento do espaço público.

Autores desqualificados produzem ou pelo menos atraem leitores desqualificados. Antes de se envergonhar dos leitores, Gilberto Dimenstein deveria se envergonhar de alguns nomes que compartilham com ele o mesmo ambiente midiático.

Mais uma vêz, o Eduardo Guimarães do Blog CIDADANIA.COM; traduz a revolta da maioria do Povo Brasileiro com o comportamento vil da mídia Demotucana do eixo Rio-São Paulo

Lula e os porões da política




Ontem, assistimos, mais uma vez, ao espetáculo deprimente que é a política sendo feita sem pudor, sem tergiversações. A repercussão da doença de Lula na mídia revela que essa atividade se baseia, hoje, em absoluta falta de decência e de lealdade nos embates entre os que deveriam terçar idéias para melhorar a vida das pessoas.
Na busca por causar o maior abatimento moral possível ao adversário, vale tudo. Principalmente chocá-lo com ausência de um traço de humanidade em seus adversários e, assim, deixá-lo assustado ao imaginar a que ponto chegariam para destruí-lo.
Nos últimos dias, dois casos se encadearam em demonstrações análogas, ainda que em níveis extremamente desiguais, de como, não raro, a política passa até pelo ato supremo de tirar a vida de um adversário da forma mais selvagem que se possa conceber.
Um desses casos reside nos detalhes sobre como Muamar Kadafi, ex-ditador da Líbia, foi assassinado por seus adversários… políticos. O outro caso, de nível de virulência infinitamente menor, mas igualmente assustador, foi ver a forma como a mídia tratou a doença de Lula.
Melhor não entrar nos detalhes sobre o assassinato de Kadafi, pois ainda visualizo a imagem mental que se me formou ao saber das sevícias que sofreu antes de colocarem fim ao seu suplício. Sobre Lula, a mídia o acusou de supostamente ter se causado o mal que o acomete, e comemorou a possibilidade de a doença ter êxito onde seus adversários “humanos” falharam.
A política, como a conhecemos, não requer capacidade, honestidade, talento ou boas intenções; requer capacidade de ser canalha ao impensável, de trair sem culpa, de não ter piedade ou comedimento algum na busca por atingir o oponente. Para vencer o adversário, vale tudo. Principalmente cinismo, muito cinismo.
É uma atividade para profissionais com “couro duro”. Nesse aspecto, somente alguém que saiu de uma região miserável, que passou fome e privações de toda sorte, que sofreu humilhações que arrasariam moralmente qualquer pessoa pode suportar a deslealdade da política em suas manifestações menos contidas.
Enganam-se, porém, os que julgam que um tumorzinho conterá alguém que, apesar de tudo pelo que passou, fez do Brasil a terra de promessas mil que jamais sonhamos que se tornaria. A selvageria dos adversários é antiga, conhecida e previsível. Lula, portanto, só precisa se precaver contra a traição, que se confunde com a política.
Por fim, resta, apenas, uma dúvida: será que esses 80% dos brasileiros que pesquisas recentes mostraram que devotam carinho extremado a Lula estão gostando de ver a mídia comemorar a sua doença?
—-
Conheçam melhor, abaixo, quem é a comentarista da CBN que atribuiu a doença de Lula ao “alcoolismo”

domingo, 30 de outubro de 2011

SAMUEL CELESTINO é indiscutivelmente um dos melhores jornalistas Baianos, principalmente, pela sua história pessoal, na condição de perseguido durante os anos em que a máfia carlista dominava todos os aspectos da vida de todos nós baianos...mas ultimamente, se nota que o mesmo tem mudado bastante...desde que a DEMOCRACIA PLENA retornou à vida política baiana




O COMENTÁRIO DO RESPEITADO JORNALISTA NÃO PASSA DE ILAÇÕES...ou fuxico mesmo...já que o mesmo usa esse termo derrogatório, para definir o comportamento do Deputado Zé Neto.

Comentário: Razões do mal-estar entre Wagner e Nilo

por Samuel Celestino

REDE LIXO TENTA TAPAR O SOL COM UMA PENEIRA


 
A Central Globo de Comunicação (CGCom) afirma que a notícia de que o jornalista William Waack, apresentador do 'Jornal da Globo', seria informante do Governo dos Estados Unidos é "absurda". A informação foi publicada portal R7, ao citar o blog Brasil que Vai, que reproduziu documentos do site Wikileaks.

“A notícia é um completo absurdo”, disse a CGCom, em nota enviada ao Comunique-se. A emissora confirmou que o nome do jornalista é citado por três vezes em documentos do governo norte-americano, mas disse que isso não faz de Waack um informante. Além do nome do apresentador, são citados o diretor de redação da revista Época, Helio Gurovitz, e os jornais Valor Econômico e O Globo, a respeito de reportagens sobre as eleições presidenciais de 2010.

De acordo com a emissora, Waack apenas participou de eventos promovidos pelo consulado norte-americano, ao lado de políticos e instituições brasileiras, como faria qualquer jornalista que cobrisse a editoria internacional, mas ressalta que os eventos não eram sigilosos e que fazem parte da profissão.

O Comunique-se procurou o blog Brasil que Vai, citado pelo R7, mas o endereço não foi localizado. O Wikileaks disponiliza os documentos em que o jornalista da Globo é citado nos links abaixo:

http://wikileaks.org/cable/2010/02/10BRASILIA49.html
http://wikileaks.org/cable/2009/09/09SAOPAULO551.html

http://wikileaks.org/cable/2008/05/08BRASILIA638.html

E EIS QUE DA MAIS PROFUNDA LAMA...SURGE UMA PÉROLA!

 



A educação pelo câncer
Enviam-me aqui um texto de Gilberto Dimenstein, um dos monopolistas da bondade de que a nossa imprensa anda cheia. O título de sua crônica é este: “Câncer de Lula vai servir de lição”. Santo Deus! Segundo o jornalista, “o país vai conhecer, como nunca conheceu, os efeitos no cigarro, apesar de tantas campanhas realizadas há tanto tempo.” Ele lembra que o tumor do ex-presidente apareceu “justamente na laringe, por onde passa a habilidade de Lula em convencer as pessoas em seus discursos.” Achou que era pouco e avançou na conclusão: “Infelizmente é desse jeito, com as pessoas sentindo-se próximas e vulneráveis diante de uma ameaça, que se consegue mudar atitudes.”
Dimenstein lembra aquele meu interlocutor, que passou a merecer o meu desprezo. O sentido de sua crônica horrível é este: “Viu? Quem  mandou fumar?” Não pára aí: “Justo na laringe, hein???” E encerra com um norte moral: O terror é didático.
É claro que já antevejo todas as pautas que vão pipocar sobre o câncer de laringe e sua relação com o cigarro. Dado o contexto, fazem sentido. Lula é personalidade pública. O que acontece a pessoas como ele tem sempre grande repercussão. Mas eu realmente repudio essa tentativa de se ver a doença pelas lentes de uma espécie de moral, ainda mais quando se conclui que o medo ilumina a razão.
Em síntese: Lula não está doente porque quer, não está doente porque merece, não está doente para ter uma lição de vida. Estará hoje nas minhas orações. Doenças não tornam a gente nem melhor nem pior. Elas só nos ensinam que é preciso vencê-las. O resto é mistificação de tolos que acreditam na didática ou na pedagogia do tumor. Por alguma razão, certo cretinismo pretende que um nódulo vai ensinar aos doentes o que não lhes ensinaram nem Deus nem a ciência.
Torço para que Lula saia incólume dessa. Força aí, meu Apedeuta!
Por Reinaldo Azevedo

_________________

Opinião DO BLOG:

Não gosto do Reinaldo Azevedo. O acho um dos maiores canalhas do PIG. Mas achei bastante decente este artigo postado por ele. Ele sabe o que é ter câncer e hoje, graças a Deus, está curado! O que me permite dizer, sem culpas, em momentos de raiva, que "os médicos tiraram o cérebro dele e deixaram o tumor"; eu sei que ele está curado! Valeu, Tio Rei (vou chamá-lo assim, só agora). Obrigado pelo texto!

Sr. Dimenstein, que merda! Não? Nem o Reinaldo Azevedo gostou!

E acabou o armistício!!! De volta à guerra, Reinaldo Azevedo!

O BRASIL E O MUNDO LHE DESEJA PRONTA RECUPERAÇÃO

Lula tem 50 convites para receber diplomas de doutor honoris causa pelo mundo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai aproveitar os próximos meses para se dedicar à sua atividade internacional. Ele só vai tirar os pés do acelerador de sua agenda de palestras no exterior quando começar a campanha eleitoral de 2012, à qual quer se dedicar como cabo eleitoral do PT. Foi o que afirmou Clara Ant, a ex-assessora da presidência e atual diretora do Instituto Lula, em visita a Israel nesta semana a convite da Câmara de Comércio e Indústria Israel-Brasil. Na noite de quarta-feira, Lula recebeu, no México, o prêmio Amalia Solórzano, oferecido a personalidades que se destacaram no trabalho pelo desenvolvimento do seu país. A arquiteta e fundadora do PT revelou que Lula tem, na fila, nada menos do que 50 oferecimentos de diplomas de doutor honoris causa de universidades pelo mundo, mas sua equipe não consegue encontrar tempo para responder a todos os convites. Desde que deixou o governo, o ex-presidente já recebeu sete diplomas e estuda, agora, aceitar o da Universidade Hebraica em Jerusalém - que fez o convite em março do ano passado, quando o ex-presidente visitou Israel.
- Todos querem Lula, no mundo. Partidos políticos, governos, instituições, ONGs, universidades... Os pedidos de visitas e palestras são incontáveis. É impossível atender a todos. Temos mais convites do que na época em que ele era presidente e a equipe do instituto é menor do que a do governo - revelou Clara ao GLOBO, sem revelar o valor cobrado pelo ex-presidente por palestra, que estima-se chegar a US$ 150 mil. 

- Jurei a mim mesma que nunca seria responsável pela agenda do Lula, mas é exatamente o que tenho feito agora - confessou, numa reclamação branda.

Lula recebe título de doutor honoris causa em Paris - Foto: Divulgação Segundo Clara Ant, o interesse mundial tem dois principais motivos. O primeiro é o fato de que Lula deixou o governo com 84% de aprovação depois de seu segundo mandato. "Isso é muito raro no mundo. Em geral, líderes tomam posse fortes e deixam o poder enfraquecidos, principalmente depois de oito anos no comando. Estão todos muito curiosos", afirmou.

O segundo motivo seria o crescimento econômico brasileiro e o comportamento do país durante a crise financeira mundial de 2008. Para Clara Ant, diversos países querem saber a receita brasileira de "combate à fome, pobreza, desigualdade social, desemprego, falta de oportunidades e moradia ao mesmo tempo em que lida com uma crise econômica internacional". Esse foi justamente o tema da palestra que ela deu em Tel Aviv para cerca de 60 empresários israelenses e brasileiros. O comércio entre os dois países aumentou 35% de 2009 a 2010 e hoje está estimado em US$ 1,8 bilhão.

Arquiteta se irrita com pergunta sobre gafe de ex-presidente Em hebraico fluente, ensaiado durante os cinco dias de viagem ao país, a arquiteta nascida na Bolívia de família judia - que tem parentes em Israel e estudou arquitetura, na juventude, por dois anos no Instituto Technion, na cidade de Haifa - destrinchou passo a passo as medidas tomadas pelo governo Lula para conseguir que 28 milhões de brasileiros se elevassem a cima da linha de pobreza e 39 milhões subissem para a classe média.

- Criamos 15 milhões de novos empregos em oito anos de governo. E a presidente Dilma continua nesse viés. Desde que ela tomou posse, mais dois milhões de postos de trabalho foram criados - afirmou, entusiasmada.

A arquiteta só perdeu a calma quando foi perguntada sobre o mal-estar causado, durante a visita de Lula a Israel, pela recusa do ex-presidente em visitar a túmulo do fundador do sionismo, Theodor Herzl, o que levou o ministro das Relações Exteriores do país, Avigdor Lieberman, a boicotar o pronunciamento do líder brasileiro no Knesset (o Parlamento local) e melindrou a comunidade brasileira e a imprensa local. A recusa foi encarada por alguns como desaprovação da ideologia sionista, que prega a existência de um Estado Judeu no Oriente Médio, até porque Lula aceitou visitar o túmulo do ex-presidente palestino Yasser Arafat, em Ramallah, na Cisjordânia.

- Foi só uma questão de coordenação de agendas entre nós e os diplomatas israelenses. Não se pode reclamar apenas disso e ignorar que Lula foi duas vezes a Israel, visitou o Museu do Holocausto, discursou no Congresso, foi recebido pelo primeiro-ministro e pelo presidente. Isso tudo é sinal de apoio ao país. Quem fez feio foi o Lieberman, que destratou Lula em sua visita - respondeu Clara Ant, visivelmente irritada.

BRASIL TODO REPUDIA O RACISMO ESCANCARADO DO PALHAÇO ANTICOMUNISTA Arnaldo Jabor

Maria do Rosário repudia racismo de Arnaldo Jabor contra Orlando Silva #ArnaldoJaborRacista


Jabor destila racismo contra Orlando e é rechaçado no Twitter

Em comentário na Rádio CBN, na última quinta (27), o cineasta e jornalista Arnaldo Jabor destilou todo o seu preconceito e anticomunismo ao comemorar a saída de Orlando Silva do Ministério do Esporte. "Finalmente, o Orlando Silva caiu do galho”, disse Jabor, ao iniciar sua fala na rádio. Além de associar, indiretamente, o ex-ministro a um “macaco”, o que se segue é uma saraivada de xingamentos gratuitos e raivosos contra Orlando, o PCdoB e a UNE. As declarações geraram reação nas mídias sociais.

http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/arnaldo-jabor/2011/10/27/FINALMENTE-ORLANDO-SILVA-CAI-DO-GALHO.htm
Com a hastag #ArnaldoJaborRacista, os internautas cobravam um processo contra Jabor por racismo.

"Espero uma atitude imediata da justiça pq no Brasil Racismo é crime inafiançável #ArnaldoJaborRacista", postou a tuiteira @Marianna_UFRN .

O presidente da Ubes, Yann Evanovick, também rebateu, em sua conta no twitter @YannUbes: "Jabor no Brasil de hoje representa o que tem de pior na sociedade. Isso é para os que acreditam que no Brasil não tem mais racismo. #vergonha".

Até a ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, Maria do Rosário, criticou o comentarista no microblog. "Quero repudiar veementemente a declaração racista do Arnaldo Jabor sobre o ex-ministro Orlando Silva. Isso é inaceitável!", escreveu.

A entidade do movimento negro Unegro anunciou que lançará manifesto de repúdio às declarações de Arnaldo Jabor e exigindo sua imediata demissão, além de uma investigação do Ministério Público por crime de racismo. (Com informações do Portal Vermelho).

FORÇA FILHO DO BRASIL...PORQUE TUA PÁTRIA MÃE NECESSITA MUITO DE TI

Força, Lula

A fatalidade não se abate igualmente sobre todos os homens. O destino, com seus mistérios, reserva a alguns deles um papel que, embora continuem seres humanos comuns, como nós, os tornam especiais para as coletividades.
Lula é um deles.
Estes homens são capazes de catalisar a força das aspirações de um povo que, de outra forma, ficaria dispersa. Como no magnetismo, têm o poder de orientar todas as partículas humanas que integram uma sociedade e, com isso, criar e fazer agir a imensa força das coletividades que empurra a roda da História.
A estes homens e mulheres, chamamos líderes.
E os líderes, como já disse alguém sobre os príncipes, também se alimentam da força que são capazes de despertar em seus povos.
Agora, neste momento difícil, Lula precisa e terá esta força do seu povo.
Os insondáveis mistérios da natureza das coletividades têm este poder. Não é religião, não é  misticismo. É apenas a sensação humana, comum a todos os seres humanos, de sermos, assim como finitos, infinitos nos nossos desejos e pensamentos.
Veremos e viveremos.

ESSE É OUTRO que também nunca nos enganou. Olha aí, até "bolsa de estudo" ganhou...e depois que voltou à Pátria Mãe; começou a pagar pela "generosidade" do TIO SAM


O "informante" Fernando Rodrigues ganhou bolsa em Harvard em 2007

O jornalista Fernando Rodrigues, do grupo Folha de São Paulo/UOL (PIG/SP), apontado em documentos vazados do Wikileaks como "informante" da embaixada dos EUA, ganhou bolsa de estudos por 1 ano (iniciada em agosto de 2007) na Universidade de Harvard, através da Nieman Foundation, daquele país.

Passadas as eleições de 2006, consumada a derrota do candidato apoiado pelo grupo Folha (Alckmin perdeu para Lula), Rodrigues escreveu que passaria por um período de "aggiornamento" (atualização, adaptação à nova realidade) nos EUA, e voltaria em agosto de 2008, "pronto para a cobertura das eleições municipais" (nas palavras dele).

http://uolpolitica.blog.uol.com.br/arch2007-08-12_2007-08-18.html#2007_08-13_07_05_02-9961110-0

http://uolpolitica.blog.uol.com.br/arch2007-08-12_2007-08-18.html
É público e notório, por mais que dissimulem, que bolsas e incentivos deste tipo concedidas pelos EUA visam formar líderes na mídia brasileira, simpáticos e afinados com os interesses econômicos e geopolíticos estadunidenses.

É impensável esse tipo de bolsa para formar líderes cubanos que defenderão a revolução castrista, ou para adeptos de Hugo Chavez, de Cristina Kirchner, Evo Morales, Rafael Correa, ou do "lulopetismo" (como gostam de dizer).

Essa mesma velha imprensa, que pinça até mesmo qualquer coincidência 100% legal na vida pessoal ou profissional de um ministro para fazer ilações pesadas sobre sua integridade moral, exigindo o imediato afastamento para "provar a inocência", o que tem a dizer sobre essas relações carnais de seus jornalistas com governos e corporações estadunidenses?

O ESPIÃO GRINGO BILL WAACK....nunca nos enganou. A virulência contra toda e qualquer iniciativa da Gestão Progressista que governa o Brasil há quase uma década: é uma prova viva da sua TRAIÇÃO À PÁTRIA


Wikileaks aponta Wiliam Waack como inflitrado na TV pelo governo dos EUA

"Bill" Waack escalado para entrevistar Hillary Clinton. O Departamento de estado dos EUA apóia a TV Globo ter jornalistas com "Bill" Waack, propagadores das políticas estadunidenses.
Do Portal R7:

O repórter William Waack, da Rede Globo de Televisão, foi apontado como um infiltrado na TV para defender os interesses do departamento de estado do governo estadunidense, segundo post do blog Brasil que Vai - citando documentos sigilosos trazidos a público pelo site Wikileaks há pouco menos de dois meses.

De acordo com o texto, Waack foi indicado por membros do governo dos EUA para “sustentar posições na mídia brasileira afinadas com as grandes linhas da política externa estadunidense”.

- Por essa razão é que se sentiu à vontade de protagonizar insólitos episódios na programação que conduz, nos quais não faltaram sequer palavrões dirigidos a autoridades do governo brasileiro.

O post informa que a política externa brasileira tem “novas orientações” que “não mais se coadunam nem com os interesses estadunidense, que se preocupam com o cosmopolitismo nacional, nem com os do Estado de Israel, influente no ‘stablishment’ norte- americano”. Por isso, o Departamento de Estado dos EUA “buscou fincar estacas nos meios de comunicação especializados em política internacional do Brasil” - no que seria um caso de “infiltração da CIA [a agência estadunidense de inteligência] nas instituições do país”.

sábado, 29 de outubro de 2011

O CAPO DI TUTTI CAPI Civita.....DEPOIS DE SER EXPULSO DE VÁRIOS PAÍSES, O MAFIOSO AQUÍ FINCOU RAÍZES. Vai ser difícil arrancá-lo deste solo fértil e hospitaleiro chamado Brasil

Processo de desnacionalização da imprensa brasileira: a fonte do poder dos Civitas apátridas da vida
Mas, o que fica de importante nesta história toda é que, enquanto a grande imprensa brasileira estiver nas mãos de pessoas como Roberto Civita, ameaças à vontade popular e à democracia serão uma constante. Os Civitas, expulsos da Itália por irregularidades, se estabeleceram na Argentina. Banidos da Argentina (também por irregularidades), fugiram e foram para os EUA. Seguindo o tipo de vida que escolheram, foram "flagrados" (em enorme escândalo), fizeram acordo, vieram para o Brasil, onde montaram "arapuca jornalística" não contra, mas em benefício e por causa da ditadura. “Veja” foi fundada por um agente americano, o falecido Victor Civita, que veio para o Brasil diretamente de Washington - seu passaporte recebeu visto na capital dos EUA, apesar dele morar em Nova Iorque. Ao mesmo tempo que este Civita era enviado ao Brasil, outro, irmão deste, era enviado à Argentina, para fazer exatamente o mesmo trabalho - açambarcar o mercado local de revistas e, antes de tudo, o de publicidade. Os Civita chegaram já com um contrato da Disney, e foi assim que bancaram suas primeiras atividades: publicando as histórias dos popularíssimos personagens da Disney. Como Civita obteve esse contrato, ele nunca explicou. Falou-se, na década de 50, em influência do Departamento de Estado, o que nunca foi desmentido. Na época, tanto no Brasil quanto na Argentina, era proibido a estrangeiros a propriedade de órgãos de comunicação. Foi enviando eles para cá, os dois Civita como testas-de-ferro, devidamente naturalizados, que os monopólios ianques entraram direto na mídia do Brasil e da Argentina. Hoje em dia, o Civita atual, o Bob Civita entrevistado por Jô Soares, continua vivendo às custas de dólares vindos do exterior. No auge do Arbítrio, em 1968, colaboraram com a repressão, eram protegidos financeiramente pelas transnacionais e, politicamente, acobertaram os setores mais "linha dura" da ditadura. Fizeram fortuna, serviram aos patrões estrangeiros, sempre em detrimento do povo brasileiro. Ou seja, figurinhas como Civita sempre se deram bem com as forças que, há muito, vêm tentando colocar o Brasil de joelhos no cenário internacional. São aqueles que se beneficiam com a desnacionalização da nossa imprensa. É o oposto de verdadeiros jornalistas como Helio Fernandes, por exemplo.
Veja o esclarecedor pronunciamento de Collor ao assumir como senador nesta Legislatura:

Veja agora como os "Civitas" lá da Venezuela agiram contra a vontade popular daquele país. Aqui, os "caras pintadas" forjados por Veja e Globo. Lá, a RCTV. CONFIRAM QUE O MODUS OPERANDI FOI O MESMO. Embora Collor e Chaves tenham visões ideológicas muito diferentes (e eu fico com o segundo), tiveram duas coisas em comum: 1º) o grande apoio popular; 2º) ambos sofreram pressões ilegítimas da grande imprensa golpista tutelada pelos EUA. O primeiro caiu; o segundo caiu, mas retornou.


Única solução: Imprensa brasileira pensada e escrita por brasileiros
Mas Estadão, JB, Gazeta Mercantil, não são exceções. Há muito são integrados, apologistas da penetração transnacional. Mesmo outros, supostos mais à esquerda, fazem um jogo dúbio não muito comprometedor, porque sabem que, do contrário, se radicalizarem, podem falir, como há um tempo ocorreu com a Folha de São Paulo. O espaço tem sido fechado aos que resistem a esse modelo, como é o caso da Tribuna da Imprensa que, nos últimos anos, vem travando uma heróica batalha para manter sua linha editorial independente. Por isso, não recebe verbas publicitárias dos governos nem das transnacionais. Pelo contrário: é perseguida e, mesmo quando tem direitos "líquidos e certos" a receber, não recebe um tostão. Por exemplo: enquanto diversos ditos “perseguidos políticos”, amigos dos Greenhald da vida (não sei se é assim que se escreve), recebem milhões em indenizações do governo federal, numa verdadeira indústria da indenização, a Tribuna, que realmente teve grandes prejuízos nos tempos de chumbo, que foi fechada, que seu dono foi preso, que teve as instalações empasteladas, fica de fora. O jornal completou 58 anos com um processo que está na Justiça há 29 anos. Quando chegar aos 100 anos, o processo da indenização terá completado 60 anos. Diante do absurdo, Helio Fernandes, recentemente, sem opção, ironizou: “meus sucessores apagarão as velas da resistência? Ou continuarão olhando para as velas apagadas da displicência?”
A direção de empresas jornalísticas, graças a uma lei do tempo de João Goulart, ratificada pela atual Constituição (1988), cabe exclusivamente a brasileiros. Porém, hoje, os grandes conglomerados estrangeiros julgam desnecessário reformá-la nesse ponto, pois é fácil recrutar apátridas locais para as causas anti-nacionais. Assim, há muito as empresas alienígenas burlam tais exigências legais. Duas CPIs, uma em 1963, outra em 1966, investigaram a penetração do capital estrangeiro nos meios de comunicação. Nas conclusões da primeira, o então deputado João Dória (pai do almofadinha júnior conhecido hoje), então presidente da CPI e um patriota, afirmou: "Em 1960 os dispêndios em publicidade somavam US$ 110,8 milhões (o equivalente a mais de US$ 1 bilhão em valores atuais), 37% à televisão, 28% ao rádio e o restante a outros meios. A veiculação dessa publicidade está em agências, dominadas por apenas oito companhias estrangeiras. Reunidas na Associação Brasileira de Agências de Propaganda – Abrap. Controlam, ainda, a Agência Brasileira de Publicitários. Em 1959, os 11 principais anunciantes do país formaram a Associação Brasileira de Anunciantes – ABA, que incorporou mais 19. Dos 30, quase todos eram grupos estrangeiros. Grande número de revistas e jornais de posição nacionalista viu-se obrigado a suspender as edições por falta de publicidade, apesar de ter índices de vendagem mais altos do que órgãos brindados por frondosa publicidade. Além disso, organizaram-se no Brasil várias empresas jornalísticas subsidiárias de empresas americanas".
Estas palavras de João Dória são sobre dados de 1960. Imaginem qual não é a realidade de hoje, com todo esse processo de abertura criminosa provocado pela globalização?
O fechamento de jornais por questões econômicas, portanto, infelizmente, é a coroação de um processo perverso de controle e neutralização da nacionalidade brasileira pela mercantilização e alienação de tudo sob a égide do capital estrangeiro. Isso está inteiramente associado às tentativas constantes de se jogar o Brasil de joelhos perante um modelo econômico assassino e submisso. Modelo alimentado pelo marketing, pelo falso entretenimento, pela desinformação, pela concorrência desagregadora, pela subserviência de nossas elites tacanhas, pela macaquice do show-bussines americano; coisas trazidas pela mídia estadunidense desde JK, ampliadas pelos militares e, atualmente, transformadas em modelo de progresso pela "Idade das Trevas" da fase apátrida “FERULA”, FHC/Lula.Hélio Fernandes é um dos raros exemplos de jornalista-empresário que conseguiu superar tal celeuma, por uma postura sempre radicalmente ética, não se locupletando com nenhum grupo econômico e mantendo sua independência jornalística inabalada; e sua língua sempre afiada contra a venda do País. E é simplesmente por isso que passa por dificuldades. É o último dos moicanos! Nós, brasileiros, deveríamos seguir seu exemplo. Deveríamos resistir. Tínhamos, todos, políticos, ABI, cidadãos, intelectuais, sociedade, que enfrentar uma luta pelo controle, não estatal, mas público, cidadão, sobre os veículos de comunicação.
A ABI e os sindicatos de jornalistas deveriam, junto com outras entidades de classe, assumir uma luta para que os poderes constituídos criem mecanismos de controle da sociedade civil que garantam o exercício realmente público das informações públicas. Além de expulsar definitivamente o capital estrangeiro de nossa imprensa, deveríamos passar todos os grandes veículos para o controle de quem produz a notícia: os jornalistas. Só assim poderá haver uma esperança para nossa Pátria. Em casos como o do Jornal de Brasília e o do Tribuna da Imprensa, que hoje passam dificuldades, os donos deveriam ceder a gestão da empresa para o sindicato da categoria ou a uma cooperativa dos empregados. É claro que apenas isso não resolveria, pois, num contexto em que os outros veículos continuariam com a mesma lógica mercadológica - e vinculados ao grande capital-, a empresa cooperada não teria como fazer novos investimentos, como sobreviver na selva capitalista. Não poderia concorrer com as demais empresas. Por isso, seria importante que instituições como o BNDES deixassem de financiar os especuladores e os "Globo Cabo" da vida e destinassem recursos para garantir a sobrevivência de empresas cooperativas de informações, controladas pelos próprios jornalistas. Estou falando de jornalistas, jamais do Estado. Mas, também não estou falando de "sociedade civil" dita "organizada" e esse discurso idiota de ONGs financiadas, também, pelo grande capital financeiro. Estou falando de JORNALISTAS. Isto para que, lógico!, os recursos jamais possm ser atrelados à independência editorial do jornal.
Afinal, pergunta que não quer calar: por que se admite os PROERs da vida para os banqueiros e não para os trabalhadores da informação e da democracia?
(*) Said Barbosa Dib é historiador e analista político em Brasília
Veja também:


Quando tudo começou...
Mas, porque e como chegamos a esta situação? Por que a desnacionalização da imprensa brasileira, como já advertia o professor Sebastião Geraldo Breguêz (em genial artigo publicado na revista Civilização Brasileira nos idos de 1978), já vem de longe, "estreando passos indecisos até chegar ao estado a que chegou hoje". A alienação da opinião pública brasileira começou em 1948, com a instalação de Seleções do Reader’s Digest, reforçada com a vinda do grupo Vision Inc. (revista Visão, em 1950; Dirigente Industrial, em 1959; Dirigente Rural, em 1960; Dirigente Construtor, em 1963; Direção, adquirida da MacGraw-Hill, em 1964, e o Anuário Brasil 66, em fins de 1965). Isso sem falar no grupo Time-Life, que financiou a TV Globo, conforme relatório da CPI criada, na época, para apurar a infiltração do capital estrangeiro na imprensa brasileira. Tudo se deu, como dizia o deputado Genival Rabelo, em 1966, em artigo publicado no Tribuna da Imprensa, com o título "O Exemplo Americano de ‘Liberdade’ de Imprensa", onde se lê:
"As investigações sobre a invasão ianque na imprensa brasileira, ou melhor, sobre o complexo processo de alienação da consciência brasileira, no sentido de nos levar a admitir que a ‘solução está nos Estados Unidos’, chegarão, forçosamente, às seguintes conclusões:

** a Constituição foi brutalmente burlada desde que Seleções obteve permissão para ser impressa em português no Brasil, acelerando, desde então, o processo de manipulação da opinião pública com objetivos político-ideológicos;

** depois de dominar praticamente o setor de revistas, os americanos voltam suas vistas para os jornais, estações de rádio e televisão;

** a TV Globo, inequivocamente, foi financiada pelo grupo Time-Life;

** a discriminação publicitária, exercida por agências americanas (J. W. Thompson, McCann-Erickson, Grant Adversiting, International Adversiting Srevece, MultiPropaganda etc.), compromete a grande imprensa brasileira, quase toda ela constituída de jornais que baseiam suas receitas em mais de 80% de publicidade".
É dessa época que surge o "Manifesto à Nação" denunciando a entrada do capital estrangeiro na imprensa brasileira, assinado, então, por representantes de O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo, Diário de São Paulo, A Gazeta, A Gazeta Esportiva, Diário da Noite, Diário Popular, Jornal da Tarde, Última Hora, Notícias Populares, A Tribuna, O Diário de Notícias Alemãs, Sindicato dos Proprietários de Jornais e Revistas do Estado de São Paulo, Associação das Emissoras de São Paulo e Sindicato das Empresas de Rádio Difusão de SP. Também se manifestaram o Sindicato das Empresas de Radiodifusão do Estado da Guanabara, em moção especial de solidariedade, a Assembléia Geral da Associação Interamericana de Radiodifusão, entre outros. Todas estas entidades já sentiam, naquela época, o que poderia acontecer se abrissem mão de suas independências para as empresas multinacionais. Já temiam – e estavam certas – que lhes acontecesse o que hoje está acontecendo. Aliás, quase todas citadas já estão há muito em mãos estranhas à realidade brasileira. Portanto, os apologistas do sistema de poder externo já controlavam a quase totalidade da imprensa, quando a televisão engatinhava. Como diz o economista Adriano Benayon, atualmente têm o virtual monopólio da televisão, viabilizando os meios para que as Organizações Globo continuem na dianteira sobre os demais veículos. E os que atualmente tentam concorrer com aquele grupo têm que se moldar ao sistema; transmitem a mesma desinformação vinculada aos interesses do sistema financeiro internacional em geral - e americano, em especial. Para garantir e reforçar o controle sobre a opinião pública, o sistema externo parasitário estimulou o crescimento de outros grupos tendenciosos, como o Grupo Abril, do capo Civita. Conglomerado que realiza uma verdadeira lobotomia em nossa população através de sua revistinha semanal de assuntos políticos e futilidades em geral, além de publicações de pornografia, negócios, esportes, histórias em quadrinhos americanas (obviamente...) etc.. "Essa verdadeira lavagem cerebral coletiva perpetrada pela mídia alienígena está transformando nosso país numa verdadeira senzala globalizada, numa latrina cultural para as potências ocidentais. Coisas que têm minado os valores éticos, a família, o sentimento nacional, as instituições, elementos essenciais à vida em sociedade, à coesão e à solidariedade de uma verdadeira Nação". Isso tudo é um verdadeiro crime de lesa-pátria que não pode continuar.

Esse é o LIXO-TÓXICO VEJA...que os menos informados/idiotas usam como fonte de referência...eu teria vergonha de abrir um tablóide nojento desses em público

Deu na Veja, desconfie! (II)

Messias Pontes *



Inegavelmente, e não tem contestação, a revista Veja é o lixo do jornalismo brasileiro. Semanal da editora Abril, da famiglia Civita, esse panfleto perdeu completamente a credibilidade conquistada nos seus primeiros anos de existência. Quando o mafioso Civita entregou na bandeja a cabeça do seu editor-chefe Mino Carta em troca de publicidade da milicanalha, entregou a alma ao diabo e mandou a ética e o jornalismo pro lixão.

Durante o reinado tucano, a famiglia Civita ganhava dinheiro a rodo, imprimindo centenas de milhões de exemplares de livros para o Ministério da Educação com preços superfaturados, já que a lei 8666 – a Lei das Licitações – era completamente burlada em conluio com o Coisa Ruim (FHC) e seu ministro da Educação.

Era dinheiro demais saindo pelo ralo. Mas com a chegada de Luiz Inácio Lula da Silva ao Poder Central a editora Abril teve de se submeter à concorrência pública e perdeu a “boquinha”. A partir de então, Roberto Civita declarou guerra ao Lula, ao seu governo, ao PT e aos partidos da base, notadamente ao PCdoB, aliado de primeira hora do ex-metalúrgico desde 1989. “Vou acabar com o Lula, com o seu governo e com esse PT de merda”, bradou Roberto Civita sem pedir segredo, ordenando em seguida que o manual de redação fosse jogado no lixo e elaborado outro.

Foram oito anos de chantagem rasteira, sem o menor escrúpulo. Toda semana, o panfleto editado pela Abril trazia uma ou mais matérias depreciativas ao governo do presidente Lula e aos partidos aliados. As coisas positivas que marcaram o governo do ex-metalúrgico simplesmente eram ignoradas, e, a exemplo da Rede Globo, nada de positivo deveria ser divulgado. E tome chantagem! E tome picaretagem! Não é à toa que o número de assinantes está caindo celeremente. Com isso, as promoções se sucedem sem sucesso, sucessivamente, sem cessar: “faça a assinatura de um ano e ganhe dois”.

Expert em requentar notícias velhas, a Veja especializou-se também em criar factoides, inventar o que for preciso para atingir os seus objetivos. Quem não lembra a “reporcagem” sobre o “grampo” de uma conversa do ministro Gilmar Mendes (ou Gilmar Dantas, segundo o jornalista Ricardo Noblat) e o senador do Demo de Goiás, Demóstenes Torres? Até hoje o áudio da conversa que Veja disse possuir não apareceu. E não vai aparecer porque nunca existiu.

Ali o objetivo era liquidar a carreira policial dos delegados Protógenes Queiroz - que ousou prender duas vezes o megaguabiru Daniel Dantas - e Paulo Lacerda, diretor-geral da ABIN. Por pressão da velha mídia conservadora, venal e golpista e por insistência do então ministro da Defesa, o tucano-peemedebista quinta-coluna Nelson Jobim, o presidente Lula cometeu uma grande injustiça contra aqueles dois excelentes profissionais da Polícia Federal. Usando o então presidente do Supremo Tribunal Federal e o ministro da Defesa, Daniel Dantas soube usar melhor ainda a Veja para se vingar dos dois delegados federais.

A famiglia Civita fez de tudo porém não conseguiu destruir o presidente Lula, o seu governo e o “PT de merda”, mas prometeu acabar com a Dilma, com o seu governo e os partidos aliados. Já conseguiu fazer algum estrago, mas não obterá êxito. A presidenta Dilma não está se deixando pautar por essa mídia que tudo fará para o insucesso do seu governo.

O Objetivo imediato é atingir os comunistas, com a visibilidade dada ao Ministério do Esporte, e assim atingir também a presidenta Dilma. Porém com o Partido Comunista do Brasil a coisa é bem diferente. A ditadura do Estado Novo tentou e não conseguiu; a ditadura militar também seqüestrou, torturou e matou muitos comunistas, mas não conseguiu acabar com o PCdoB. Não é uma decadente revista e alguns colonistas e jornalistas amestrados da velha mídia conservadora, venal e golpista que vão conseguir.

A oposição conservadora está fazendo de tudo para inviabilizar o governo da presidenta Dilma e joga todas as suas fichas no insucesso da Copa das Confederações que aqui será realizada em 2013; da Copa do Mundo de 2014 das Olimpíadas de 2016.

Na audiência pública desta terça-feira 25 na Câmara dos Deputados, da Comissão Especial da Lei Geral da Copa de 2014, a oposição conservadora tentou tumultuar, mas não conseguiu. Foi uma verdadeira baixaria, contudo o ministro Orlando Silva não aceitou a provocação e, na maior tranqüilidade, esclareceu todos as questões aos deputados.

O PM João Dias Ferreira, que já foi preso por corrupção e responde a nada menos de 11 processos, é a principal fonte da revista de chantagem para atacar o ministro do Esporte, o PCdoB e o governo da presidenta Dilma Rousseff. Contudo não tem a menor credibilidade, dado que não tem curriculum vitae e sim folha corrida. Além do mais, mentiu para a Polícia Federal no início desta semana ao declarar estar doente para não depor, mas estava sadio para se reunir com a oposição conservadora no Senado, no mesmo dia.

Cadê as provas contra o ministro do Esporte, Orlando Silva, que a revista de chantagem da Abril disse que iria divulgar? O bandido que o acusou já voltou atrás e disse que não possui nenhuma prova do envolvimento do ministro do Orlando Silva (PCdoB), e de seu antecessor Agnelo Queiroz (PT), no suposto esquema de desvios de recursos públicos do Ministério. João Dias afirmou peremptoriamente que não gravou diálogos de Orlando Silva e que não há nada que o incrimine.

A desacreditada Rede Globo usa o máximo de tempo dos seus telejornais para tentar confundir a opinião pública com afirmações levianas, mentirosas e caluniosas contra o ministro e o seu partido. Está repetindo a mesma cantilena que utilizou na campanha presidencial do ano passado, quando fez de tudo, até contratou técnico legista para “provar” que o candidato demotucano José Serra foi atingido por um “objeto contundente” na cabeça. Acabou desmoralizada porque o que atingiu a cabeça do “Zé” Bolinha foi tão-somente uma bolinha de papel arremessada por correligionário seu, já que os opositores estavam a mais de 200 metros e nenhuma força humana seria capaz de atingir a cabeça do candidato a uma distância tão grande com uma simples bolinha de papel. Isto rendeu até um gostoso samba.

Toda a apuração das denúncias foi solicitada pelo próprio ministro Orlando Silva que apelou à Polícia Federal, ao Ministério Público, à Controladoria Geral da União e ao Tribunal de Contas da União a irem fundo na investigação e punição dos responsáveis por desvio de recursos públicos. O ministro lembrou que o seu partido tem 90 anos de história em defesa do povo trabalhador brasileiro, 90 anos de combate à corrupção, e que não tolera desvio de conduta dentro e fora do Partido.

E agora, canalhas colonistas e amestrados!?

* Diretor de comunicação da Associação de Amizade Brasil-Cuba do Ceará, e membro do Conselho de Ética do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Ceará e do Comitê Estadual do PCdoB.

E POR FALAR EM TRAIDORES DA PÁTRIA....o artista circence abaixo, juntamente com o seu finado patrão...são/eram tão canalhas quanto o trio agora desmascarado. O FINADO com o imbroglio TIME-LIFE...e o Turco racista, com o caso do primo-irmão que trabalha em MIAMI para grupos anticastristas e, para o Golpista antichavista Cisneros...que é também dono duma série de negócios no Brasil em parceria com os mafiosos Civitas, Marinhos...inclusive é dono da Rede TV

Jabor destila racismo contra Orlando e é rechaçado no Twitter


Em comentário na Rádio CBN, na última quinta (27), o cineasta e jornalista Arnaldo Jabor destilou todo o seu preconceito e anticomunismo ao comemorar a saída de Orlando Silva do Ministério do Esporte. "Finalmente, o Orlando Silva caiu do galho”, disse Jabor, ao iniciar sua fala na rádio. Além de associar, indiretamente, o ex-ministro a um “macaco”, o que se segue é uma saraivada de xingamentos gratuitos e raivosos contra Orlando, o PCdoB e a UNE. As declarações geraram reação nas mídias sociais.


Utilizando-se de toda a teatralidade de que é capaz, o comentarista da ultradireita esculhamba não só com a sigla comunista, mas joga todos os partidos na vala comum da corrupção, discurso muito comum entres os que tentam desacreditar a política e os políticos.

Mas é contra o PCdoB que ele centra fogo. Jabor não só reforça o coro da mídia como um todo - que tem alimentado o noticiário com denúncias a respeito das quais não há nenhuma prova sequer - como toma como verdade as acusações que nem chegaram a ser investigadas. E passa dos limites, ao agredir até o falecido líder comunista João Amazonas, classificando-lhe como um "delirante maoista".

Com sua metralhadora de adjetivos desabonadores, dispara também contra a UNE. Numa demonstração de completa neurastenia, ele chama jovens de "malandros" e "oportuinistas", depois os acusa de desviariam dinheiro.

O comentário provocou reação. Nas redes sociais, até a noite desta sexta (28), crescia o movimento em repúdio ao jornalista, que desrespeita as principais regras da profissão. Com a hastag #ArnaldoJaborRacista, os internautas defenderam o PCdoB e cobravam um processo contra Jabor por racismo.

"Espero uma atitude imediata da justiça pq no Brasil Racismo é crime inafiançável #ArnaldoJaborRacista", postou a tuiteira @Marianna_UFRN . O presidente da Ubes, Yann Evanovick, também rebateu, em sua conta no twitter @YannUbes: "Jabor no Brasil de hoje representa o que tem de pior na sociedade. Isso é para os que acreditam que no Brasil não tem mais racismo. #vergonha".

Até a ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, Maria do Rosário, criticou o comentarista no microblog. "Quero repudiar veementemente a declaração racista do Arnaldo Jabor sobre o ex-ministro Orlando Silva. Isso é inaceitável!", escreveu.

A entidade do movimento negro Unegro anunciou que lançará manifesto de repúdio às declarações de Arnaldo Jabor e exigindo sua imediata demissão, além de uma investigação do Ministério Público por crime de racismo.

Da Redação

TRAÍDORES DA PÁTRIA. Qualquer pessoa relativamente bem informada, nunca teve nenhuma dúvida das atividades antipatrióticas desses canalhas travestidos de jornalistas. Portanto, esse último informe do WIKILEAKS só veio confirmar o que já sabíamos há anos...seria coincidência que o trio é Paulista?...êsses caipiras sempre se sentiram Gringos...NUNCA GOSTARAM DO BRASIL

28 de Outubro de 2011 - 19h05
As relações perigosas entre Tio Sam e picaretas do PIG

Três notórios medalhões da mídia golpista, um âncora da TV Globo, William Waack, o jornalista da Folha de São Paulo, Fernando Rodrigues, e o ex-colunista de Veja, Diogo Mainardi, foram apontados em recentes documentos divulgados pelo site Wikileaks como informantes do governo dos Estados Unidos.

O âncara da Globo, anticomunista de carteirinha, é amigo e informante do Tio Sam
A revelação não chega a surpreender observadores que possuem espírito crítico e não se deixam enganar pelas falsas aparências transmitidas na telinha e nos poderosos meios de comunicação monopolizados por uma meia dúzia de famílias capitalistas.
Mentiras grosseiras
William Waack, que gosta de se apresentar como intelectual sereno e sábio no programa Globo News Painel, onde costuma atravessar o samba dos entrevistados, é um raivoso anticomunista. Chegou a escrever um livro (intitulado “Camaradas”) carregado de insultos e calúnias contra Luiz Carlos Prestes, líder da Coluna Prestes.
No texto, com muita empáfia, conforme notou João Quartim de Morais, professor de filosofia da Unicamp e autor de preciosos estudos sobre a história brasileira, “Waack pretende confirmar, em versão civilizada e expurgada das mentiras grosseiras incorporadas pela polícia do Estado Novo à ´história oficial´ da ´Intentona´, a principal acusação contra Prestes e seus camaradas: a de que agiram por ordem e a serviço de Moscou. Talvez sua pretensão de abalar mitos e carreiras tenha se alimentado mais do caráter probatório dos documentos que exibe do que da descoberta de algum fato substancial”.
Quartim de Morais escreveu um artigo desmascarando as mentiras e contradições a que o funcionário da família Marinha é conduzido pelo ódio anticomunista, onde conclui: “Custa-nos ser indelicados, mas se comprarmos o livro de Waack pelo que ele vale e lograrmos vendê-lo pelo que ele apregoa que vale, faremos um excelente negócio”.
Comentários apimentados
Waack passou a ser alvo de comentários apimentados nas redes sociais após a publicação dos documentos que o identificam como um informante da Casa Branca com forte influência política no Brasil.
O site de notícias "JB online" confirmou parte das versões com a jornalista Natalia Viana, que é responsável pelo espaço da Wikileaks no Brasil. Segundo a repórter investigativa, Waack chega a ser citado por três vezes como informante da Casa Branca. Dois dos documentos em que constam o nome do jornalista global foram considerados como "confidenciais".
Casamento ideológico
Em uma das passagens, é relatada a visita de um porta-aviões dos Estados Unidos em maio de 2008. O documento emitido informa que a Embaixada Americana havia classificado a repercussão do evento na mídia como "positiva", e cita diretamente o nome de William Waack como tendo ajudado a evidenciar o lado positivo que existe nas relações entre o Brasil e os Estados Unidos durante suas reportagens para o jornal "O Globo". Não é de admirar o casamento ideológico e a fusão de interesses entre o jornalista e o imperialismo. Resta saber quanto ele recebeu pelos bons serviços prestados ao império.
Em um segundo documento, as eleições presidenciais de 2011 são o destaque. No caso, em fevereiro de 2010 o âncora da Globo teria informado aos norte-americanos que, após um fórum econômico em São Paulo, havia tido a impressão de que Ciro Gomes era o mais preparado entre os candidatos, José Serra era "claramente competente" enquanto Dilma teria sido vista como incoerente.
Confundindo desejo e realidade
O terceiro documento apresentado teria registrado um erro de previsão feita por Waack. Nele constaria que em agosto de 2009, o jornalista manteve contatos com funcionários da Casa Branca, aos quais teria apontado que Serra e Aécio Neves tinham concordado em apresentar uma candidatura para presidente e vice, respectivamente. O fato não aconteceu. O jornalista, muito chegado a manipulações, confundiu seus desejos tucanos com a realidade. Na época, Aécio chegou a tentar concorrer como presidente pelo PSDB, mas terminou como candidato ao Senado por Minas Gerais e deixou o Zé Serra caminhar para o cadafalso sozinho.
Em uma publicação de outubro de 2010, pela coluna Wikileaks, Natalia Viana já havia escrito sobre as informações de Waack consideradas pela inteligência dos Estados Unidos. No texto, a repórter afirma que a conselheira Lisa Kubiske alertava o governo norte-americano sobre as tendências no Brasil a partir de análises de jornalistas brasileiros.

Rodrigues, da Folha: confidente da Casa Branca
Nos documentos vazados pelo Wikileaks, o jornalista Fernando Rodrigues, colunista da Folha de S. Paulo, também aparece como informante, em encontro na embaixada dos EUA. Rodrigues, outro direitista de marca maior, evitou comentar a denúncia no site que mantém no Uol, onde por coincidência postou nesta sexta (28) apenas uma entrevista com o embaixador dos EUA no Brasil, Thomas Shannon, em que o diplomata estadunidense critica o Wikileaks por estar revelando informações embaraçosas para Washington e seus testas de ferro pelo mundo.
Numa conversa de 2006, Rodrigues teve um encontro com representantes da embaixada americana, e disse entre as quatro paredes que o TCU (Tribunal de Contas da União) era aparelhado politicamente pelos demo-tucanos e tinha relatórios feitos para usar como batalha partidária da oposição contra o governo.
Disse que o tribunal faz análises não confiáveis e seus noves ministros são geralmente ex-senadores ou ex-deputados escolhidos por seus colegas para atuarem partidariamente. Rodrigues citou nominalmente o ministro Aroldo Cedraz, a quem classificou como “carlista” – ligado ao finado Antonio Carlos Magalhães.
De acordo com os documentos, Rodrigues também fazia análises políticas para a embaixada americana e avaliou o cenário da Câmara em 2006, que teve como oponentes Arlindo Chinaglia, do PT, e Aldo Rebelo, do PCdoB. Rodrigues disse que, se Aldo perdesse, ganharia com

Diogo Mainardi
Outro jornalista citado pelo Wikileaks é ex-colunista da Veja, hoje comentarista do programa Manhattan Connection, da Globo News, Diogo Mainardi, uma figura bizarra e medíocre que morre de amores pelo império e vive a vomitar bobagens anticomunistas, aparece antecipando informações de sua coluna para os americanos num "almoço reservado". Ele também andou exercendo as funções de guarda costas do controvertido banqueiro Daniel Dantas.
Waack, Rodrigues e Mainardi são três exemplares típicos da mídia que o jornalista Paulo Henrique Amorim apelidou com muita propriedade de Partido da Imprensa Golpista (PIB). Em seus textos e comentários destilam a ideologia reacionária e tacanha da direita brasileira, antinacional, antipopular e vassala do império. As relações entre o PIG e a CIA, sugeridas pelo Wikileaks, não chegam a ser surpreendentes, mas contribuem para elucidar o verdadeiro caráter dos monopólios midiáticos e evidenciar a subserviência da direita brasileira em relação a Washington. São relações inegavelmente perigosas para os interesses nacionais, que devem ser reveladas, denunciadas e combatidas.
Cobrança
Embora o jornalista Fernando Rodrigues tenha evitado abordar a embaraçosa revelação do Wikileaks, leitores e leitoras de seu blog na Uol não pouparam comentários bem humorados, mas críticos, que o Vermelho reproduz abaixo.

[Canena] [Rio de Janeiro]
Mas por que fernando rodrigues afirma que o tribunal de contas está aparelhado pelos DEMOS TUCANOS e que não é isento para a embaixada americana MAS não para os leitores do Brasil?
28/10/2011 17:20
[Chico Maciel] [São Paulo, SP]
E aí, Fernando Rodrigues? Vai colocar as conversas que teve com o embaixador em 2006, seu traíra?
28/10/2011 17:14
[Claudia] [São Paulo]
Caro, o sr está sendo acusado pelo Wikileaks, através do jornal o dia de ter feito "avaliações" para a embaida americana na eleições 2010. E aí? São só os políticos da "SITUAÇÂO" que precisam se explicar?
28/10/2011 17:02
[Angelo Damasceno] [SP]
Vai Fernandão!!! Cadê a Democracia tão propagada por vocês da Folha?!? Libere os comentários!!! Talvez tenham alguns bacanas parabenizando você por ser X9 americano. Agora eu entendo como você consegue essas facilidades de ter entrevistas com o embaixador americano e etc. Tudo gente da "famiglia" O wikileaks pegou você em cheio e a sua mascará caiu!!!
28/10/2011 16:44
[Felipe Ribeiro do Lago] [São Paulo - SP, Brasil]
É diretamente a esse senhor que o blogueiro repassa suas análises políticas feitas sob encomenda da Embaixada dos EUA, tal como revelado no Wikileaks?
28/10/2011 16:18
[ferdinand] [florianópolis]
Quer dizer que o "nobre comentarista" é um belo de um fofoqueiro...rs...isto é democracia!! Bolsa Harvard é chique!!!!
28/10/2011 15:55
[Lucas Rimet] [Recife]
Prezado Fernando Rodrigues Eu estou desempregado e ouvi dizer que a Embaixada Americana está pagando bem para agente ser um X-9 deles, como você e o William Waack tem experiência no ramo, gostaria de saber como encominhar o meu currículo e qual a remuneração. Agradeço a tua atenção ao meu pedido.
28/10/2011 15:54
[Sérgio Luís Aguiar] [Campinas-SP]
Prezado Sr. Fernando Rodrigues Gostaria de saber o que o Sr. tem a dizer sobre as notícias ligas à sua pessoa quanto a ser informante da Embaixada do USA, conforme blog conforme Afiada do Jornalista Paulo Henrique Amorim
28/10/2011 14:22
[Marcos] [Fortaleza, CE]
Você vai comentar sobre o telegrama que o Wikileaks vazou onde consta você, Fernando Rodrigues, como informante do Governo Americando?
28/10/2011 11:38
[Joao Barbosa] [SP]
E aí traíra!!! Servindo ao governo americano, né?! Que papelão hein!?! Depois você quer vir aqui passar recibo de honesto. O wikileaks pegou você bonitão: http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011/10/wikileaks-mostra-fernando-rodrigues.html
28/10/2011 10:49
[Otavinho PIG] [SP]
Wikileaks mostra Fernando Rodrigues como informante dos EUA Nos documentos vazados pelo Wikileaks, o jornalista Fernando Rodrigues, colunista da Folha de S. Paulo, também aparece como informante, em encontro na embaixada dos EUA. Numa conversa de 2006, Rodrigues teve um encontro com representantes da embaixada americana, e disse entre as quatro paredes que o TCU (Tribunal de Contas da União) era aparelhado politicamente pelos demo-tucanos, e tinha relatórios feitos para usar como batalha partidária da oposição contra o governo. Disse que o tribunal faz análises não confiáveis e seus noves ministros são geralmente ex-senadores ou ex-deputados escolhidos por seus colegas para atuarem partidariamente. Rodrigues citou nominalmente o ministro Aroldo Cedraz, a quem classificou como “carlista” – ligado ao finado Antonio Carlos Magalhães. De acordo com os documentos, Rodrigues também fazia análises políticas para a embaixada americana e avaliou o cenário da Câmara em 2006, que tev
28/10/2011 09:31
[Fernando Cinico Tucano] [DF]
Wikileaks mostra Fernando Rodrigues como informante dos EUA Nos documentos vazados pelo Wikileaks, o jornalista Fernando Rodrigues, colunista da Folha de S. Paulo, também aparece como informante, em encontro na embaixada dos EUA. Numa conversa de 2006, Rodrigues teve um encontro com representantes da embaixada americana, e disse entre as quatro paredes que o TCU (Tribunal de Contas da União) era aparelhado politicamente pelos demo-tucanos, e tinha relatórios feitos para usar como batalha partidária da oposição contra o governo. Disse que o tribunal faz análises não confiáveis e seus noves ministros são geralmente ex-senadores ou ex-deputados escolhidos por seus colegas para atuarem partidariamente. Rodrigues citou nominalmente o ministro Aroldo Cedraz, a quem classificou como “carlista” – ligado ao finado Antonio Carlos Magalhães. De acordo com os documentos, Rodrigues também fazia análises políticas para a embaixada americana e avaliou o cenário da Câmara em 2006, que tev


28/10/2011 09:03
[graciliano] [taubaté sp]
Caro Fernando, vc trabalhava de graça ou ganhava uns dólares para ser informante dos EUA? Seja sincero.