segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Mais uma vêz, O BRILHANTE BALILI nos mostra; porque MERECE GANHAR O TÍTULO DE 'MAIOR CRONISTA POLÍTICO-SOCIAL'...DA CHAPADA DIAMANTINA. Leam a crônica abaixo, e confirmem se não temos razão.



- O PONTAPÉ-


CARTÃO VERMELHO para os POLÍTICOS BANDIDOS de Morro do Chapéu.



Que o famoso esporte bretão, ou seja, o futebol se caracteriza em uma grande paixão brasileira não temos dúvida, senão como justificar 22 homens ou mulheres conseguindo prender a atenção de milhões de pessoas correndo atrás de um objeto que ao mesmo tempo em que parece ser tão cobiçado. Todos pedem. No mesmo instante é tão repelido. Todos repassam.

É o objetivo a ser alcançado meu amigo. A psicologia atribui tais comportamentos à lei da sobrevivência. As jogadas, os erros, os acertos, as faltas, os dribles, o jogo limpo, o jogo sujo, a vitória, o sadismo humano de ver alguém derrotado, o prazer da vitória…

A política também é assim.

Um jogo.

Deveria ser uma ciência, mas é um jogo e por aqui em nossa terrinha, para não fugir à regra,já que o esporte vem sempre em primeiro lugar imaginemos que o pontapé inicial já foi dado e os esquemas táticos já começam a ser montados, porém o jogo ainda é muito estudado e até agora ninguém ousou ir ao ataque.

Já estamos presenciando algumas advertências com cartões amarelos dados a aqueles que erram o passe, alguns afagos sendo trocados no enquanto a bola não rola, jogador querendo entrar em campo pela linha de fundo, cartolas querendo definir jogadas fora do gramado, tem até aqueles se sentindo donos da bola e aplicando a máxima:

"Se eu não jogar não tem jogo"

Gente que não jogou quando escalado ou sequer ao menos treinou ao longo do tempo e insiste em entrar em campo sem se importar com as condições físicas.

É.A partida mal iniciou e já tivemos lances emocionantes.

Priiiiiiiiiiiiiiiiiii!

O juiz deu o sinal. É uma parada técnica?

Não.

É o fim da primeira fase?

Não. É que o juiz resolveu interromper o jogo para rever algumas regras, pois tinham jogadores escalados irregularmente e vocês sabem, tanto no futebol como na política, o fair play é importante e às vezes determinadas atitudes dos juízes influenciam até no resultado.

A torcida gritou e pediu a regra do ficha limpa.Os juízes acataram.

Segundo tempo.

Novas regras, novas táticas, troca de jogadores, faltas graves, gente sendo punida com o cartão vermelho, donos da bola se confundindo com técnicos e ditando regras,alguns impedimentos, outros prostrados na defesa,tem até escanteados onde titulares de antes passaram a ser reservas de hoje.

A ideologia está tendo tão pouca notoriedade e importância que o que está se sobressaindo mais não são as bandeiras, mas sim os bandeirinhas.

É. Bem se diz que o segundo tempo do jogo pode ser outra história.

A torcida permanece quieta, atenta aos lances, alguns comentários parciais, outros imparciais por parte dos narradores. Essa torcida que chora, que grita, que xinga, que reza,que não muda é a mesma que vota,que ouve,que discute,que opina,que muda e por mais que queiramos admitir.Mesmo sendo iguais em vários sentidos no campo da vida,onde muitos tem que literalmente comer a grama,há uma diferença enorme entre o jogo de futebol e o jogo da política.

Em um a torcida tem o poder de trocar os jogadores, em outro não.

Pense nisso e faça um gol.

Balili.

Nenhum comentário: