terça-feira, 30 de abril de 2013

ANTRO DE PEDOFILIA VAI EXCOMUNGAR PADRE PROGRESSISTA...É MOLE?


Igreja Católica vai excomungar padre que criticou conservadorismo

publicado em 29 de abril de 2013 às 17:49

29/04/13 14:15 – Geral
Padre Beto é excomungado pela Igreja Católica
Marcus Liborio e Luiz Beltramin, do Jornal da Cidade de Bauru  
O padre Roberto Francisco Daniel, conhecido como padre Beto, foi excomungado pela Igreja Católica, segundo comunicado publicado no site da Diocese de Bauru, nesta segunda-feira (29). Segundo o texto, as opiniões expressas pelo padre em redes sociais sobre a postura conservadora da igreja e temas como a bissexualidade e a fidelidade conjugal, traíram o compromisso de fidelidade à Igreja, a qual ele jurou servir no dia de sua ordenação sacerdotal.
Ainda de acordo com o comunicado, os atos de “liberdade de expressão” proferidos pelo sacerdote provocaram forte escândalo e feriram a comunhão eclesial.
A diocese de Bauru, por meio do Bispo Dom Caetano Ferrari, decidiu excomungar o padre Roberto Francisco Daniel, em um ato inédito na Diocese de Bauru. A partir desta decisão, ele não pode mais celebrar nenhum ato de culto divino (sacramentos e sacramentais), nem mesmo receber a Eucaristia.
O juiz iniciará os procedimentos para demitir o padre e enviar a Roma o relatório penal para sua “demissão de estado clerical”.
‘Não muda a minha vida’
Instantes após divulgada a decisão da igreja, Padre Beto (que ainda pode ser chamado assim até a chegada de carta oficial do Vaticano ratificando a excomunhão) mostrou-se tranquilo. “Não muda nada na minha vida. Eu já havia pedido o meu desligamento. Ainda bem que não tem fogueira”, ironizou, por telefone, ao JCNET. “Não afeta minha vida”, minimiza.
Beto não se diz surpreso com o veredicto. “Era um tribunal montado. Eu apenas queria entregar uma carta (de resposta ao pedido de Dom Cateano sobre retratação e consequente solicitação de afastamento das atividades ministeriais). Não diria surpresa. Eu esperava de tudo da igreja”, diz.
Leia na íntegra o comunicado da Diocese de Bauru
É de conhecimento público os pronunciamentos e atitudes do Reverendo Pe. Roberto Francisco Daniel que, em nome da “liberdade de expressão” traiu o compromisso de fidelidade à Igreja a qual ele jurou servir no dia de sua ordenação sacerdotal. Estes atos provocaram forte escândalo e feriram a comunhão eclesial. Sua atitude é incompatível com as obrigações do estado sacerdotal que ele deveria amar, pois foi ele quem solicitou da Igreja a Graça da Ordenação.
O Bispo Diocesano com a paciência e caridade de pastor, vem tentando há muito tempo diálogo para superar e resolver de modo fraterno e cristão esta situação. Esgotadas todas as iniciativas e tendo em vista o bem do Povo de Deus, o Bispo Diocesano convocou um padre canonista perito em Direito Penal Canônico, nomeando-o como juiz instrutor para tratar essa questão e aplicar a “Lei da Igreja”, visto que o Pe. Roberto Francisco Daniel recusa qualquer diálogo e colaboração. Mesmo assim, o juiz tentou uma última vez um diálogo com o referido padre que reagiu agressivamente, na Cúria Diocesana, na qual ele recusou qualquer diálogo. Esta tentativa ocorreu na presença de 05 (cinco) membros do Conselho dos Presbíteros.
O referido padre feriu a Igreja com suas declarações consideradas graves contra os dogmas da Fé Católica, contra a moral e pela deliberada recusa de obediência ao seu pastor (obediência esta que prometera no dia de sua ordenação sacerdotal), incorrendo, portanto, no gravíssimo delito de heresia e cisma cuja pena prescrita no cânone 1364, parágrafo primeiro do Código de Direito Canônico é a excomunhão anexa a estes delitos. Nesta grave pena o referido sacerdote incorreu de livre vontade como consequência de seus atos.
A Igreja de Bauru se demonstrou Mãe Paciente quando, por diversas vezes, o chamou fraternalmente ao diálogo para a superação dessa situação por ele criada. Nenhum católico e muito menos um sacerdote pode-se valer do “direito de liberdade de expressão” para atacar a Fé, na qual foi batizado.
Uma das obrigações do Bispo Diocesano é defender a Fé, a Doutrina e a Disciplina da Igreja e, por isso, comunicamos que o padre Roberto Francisco Daniel não pode mais celebrar nenhum ato de culto divino (sacramentos e sacramentais, nem mais receber a Santíssima Eucaristia), pois está excomungado. A partir dessa decisão, o Juiz Instrutor iniciará os procedimentos para a “demissão do estado clerical, que será enviado no final para Roma, de onde deverá vir o Decreto .
Com esta declaração, a Diocese de Bauru entende colocar “um ponto final” nessa dolorosa história.
Rezemos para que o nosso Padroeiro Divino Espírito Santo, “que nos conduz”, ilumine o Pe. Roberto Francisco Daniel para que tenha a coragem da humildade em reconhecer que não é o dono da verdade e se reconcilie com a Igreja, que é “Mãe e Mestra”.
Leia também:
Leandro Fortes: A grampolândia de Marconi Perillo

PRISÃO DE CORRUPTOS CRESCE 130%


Gilmar Mendes e a turma do terror


Impressionante a má vontade de toda a imprensa com parlamentares petistas e o Partido dos Trabalhadores.  A turma do pânico já está aterrorizando desavisados com a PEC 33/2011 apresentada pelo deputado Nazareno Fonteles (PR/PI) – que propõe novas regras sobre casos de relação entre o parlamento e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Veículos  de comunicações da grande imprensa tentam vincular a PEC exclusivamente ao PT. Colunistas escrevem páginas inteiras de jornais, apresentadores  de telejornais levam convidados para a  bancada afim de, juntos, analisarem a  proposta... O ministro  do STF , Gilmar Mendes , figurinha carimbada na mídia, também apareceu  com sua frase de efeito : "eles rasgaram a Constituição", bradou o ministro, com o mesmo exagero de quem  no passado afirmou que o Brasil estava sob "estado policial", quando, denunciou a existência de  grampos de seu telefone, jamais exibida ou comprovada pelo ministro  ou pela investigação  da Policia Federal.

 Mas, nunca , por nenhum momento, a imprensa menciona o nome do relator, o deputado João Campos (PSDB-GO). Campos  é o  líder da bancada evangélica  e  autor  da  Proposta de Emenda à Constituição (PEC), para estender às entidades religiosas a possibilidade de contestar a constitucionalidade de decisões que lhes interessem.

E o  mais interessante nesse barulho da imprensa querendo se mostrar indignada é que, antes da PEC 33/2011, o deputado Nazareno Fonteles apresentou outra PEC (nº 3/2011), mais genérica, porém no mesmo sentido, pois muda o texto constitucional para o Congresso Nacional tratar o poder judiciário igual ao poder executivo, para sustar atos que usurpem o poder legislativo.

Em maio de 2012, um deputado do DEM, Mendonça Filho (PE), apresentou emenda praticamente igual (PEC 171/2012). Como já existia a de Nazareno, foi anexada à tramitação da PEC nº 3. Nenhum jornal da velha imprensa contestou o parlamentar do DEM.

A PEC nº 3 também foi relatada por um deputado tucano, Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS), na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, e foi admitida como constitucional por unanimidade dos votos.

Na época, Marchezan afirmou que a emenda estava de acordo com outro dispositivo da Constituição, segundo o qual cabe ao Congresso “zelar pela preservação de sua competência legislativa em face da atribuição normativa dos outros poderes”.

E mais, o relator tucano  criticou  o Poder Judiciário que, segundo ele, “extrapola” suas funções para legislar:“Não podemos nos furtar a observar que o Poder Judiciário, mormente no exercício do controle de constitucionalidade , tem deixado de lado o tradicional papel de legislador negativo para atuar como vigoroso legislador positivo. Tal fato atenta contra a democracia e as legítimas escolhas feitas pelo legislador.”. A  fala do deputado tucano  não gerou o que, agora, a imprensa chama de “crise entre os poderes”. Por que?

PEC 33

A  PEC 33/2011  foi apresentada pelo deputado Nazareno Fonteles (PR/PI) em 2011,   um ano antes do julgamento do chamado “mensalão”,  reuniu assinatura de 219 deputados de todos os partidos, e não propõe que as sentenças do STF sejam submetidas ao Congresso, como imprensa e o ministro do  STF Gilmar Mendes andam propalando ai.

O Congresso só poderia sustar normas editadas pelo STF à revelia do Congresso, como por exemplo,  no caso de uma emenda constitucional aprovada no Congresso ser declarada inconstitucional no STF.  Ainda assim, se  60%  dos parlamentares rejeitassem a opinião do STF, a discordância seria submetida à consulta popular. Nem o STF nem Congresso teriam a palavra final,  o que evitaria  um poder mais forte que outro. Quem teria a palavra final seria o povo.. E por fim, a  deliberação do STF prevaleceria, mesmo sem consulta, caso o Congresso não a apreciasse em 90 dias.

As novas  regras também não favorecem parlamentares com processo criminal no STF, pois elas submeteriam apenas as ADINs e ADCs ao Congresso, além de súmulas vinculantes, e não julgamentos penais. Será que a imprensa não descobriu isso?

Tanto a PEC 33 quanto a PEC 3 ainda precisam ser analisadas por comissões especiais na Câmara antes de serem votadas no plenário. A aprovação destas emendas dependerá da aprovação de três quintos da Câmara e do Senado, o que exige um amplo consenso pluripartidário, longe de ser uma iniciativa exclusiva do PT e do governo, como a velha mídia tenta dizer.

A PEC 33 (leia a íntegra), na prática,  só visa conter o ímpeto do STF de usurpar o poder de legislar, assim o STF deixaria de ter carta branca para fazer mudanças na Constituição, por mera interpretação dos magistrados sobre constitucionalidade.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Prisão de corruptos cresce 130% entre 2008 e 2012 no Brasil


Em 2012 foi constatado aumento de 130% no número de servidores públicos e corruptores presos no Brasil, sendo que a maioria das prisões (cerca de 1.400) se deu por peculato – quando funcionário público se apropria de bens do governo. A constatação tem como base informações do Ministério da Justiça e do Estadão Dados e foi publicada pelo jornal O Estado de São Paulo nesta segunda-feira (29/4).

Entre  2008 a 2012, o número de casos de corrupção que resultou na prisão de servidor público passou de cerca de 400 para mais de 1.500 no ano passado. Em 2011 a quantidade já era expressiva: mais de 1.000 prisões ante cerca de 600 ocorridas em 2010.

Já a quantidade de corruptores que foi para trás das grades passou de aproximadamente 650 em 2008 para cerca de 1.300 em 2012. Em 2011 e 2010 a média foi de 800. Apesar dos números e da gravidade do crime, o número de prisões de pessoas que atentam contra a administração pública representa apenas 0,5% do total. O ranking é liderado por roubo (29,8%), furto (14,2%) e homicídio (11,5%).

Por crime de peculato foram presos em 2008 cerca de 400 servidores públicos; número que alcançou 1.400 no ano passado. Corrupção ativa (quando o funcionário público aceita receber vantagem indevida oferecida por outrem) aparece na sequência, com uma média de 700 prisões em 2012 enquanto em 2008 foram cerca de 400. Contrabando ou Descaminho, que é trazer para território nacional bens proibidos por lei ou que não tenham passado pelos trâmites legais necessários, figura em terceiro, com pouco mais de 600 casos registrados. As informações são do jornal Opção

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Mais de 90% dos jovens de 5 favelas do Rio têm acesso à internet

Pesquisa feita com 2 mil jovens entre 15 e 28 anos, moradores das comunidades da Cidade de Deus, na zona oeste do Rio; da Rocinha, na zona sul; da Penha, do Complexo do Alemão e de Manguinhos, do subúrbio, apontou que 90% deles têm acesso a internet e às mídias digitais.

O trabalho faz parte do projeto Solos Culturais, criado em 2011, numa parceria do Observatório de Favelas com a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro e patrocínio da Petrobras.

"Nos cinco territórios mais de 90% dos jovens tinham acesso à internet, e não só acesso, mas um acervo próprio a partir da internet. Os jovens fazem muito download, baixam muito conteúdo cultural de texto, de vídeo e de áudio. O acesso a algumas tecnologias foi capaz de trazer para estes territórios uma produção cultural", explicou o produtor executivo do Solos Culturais, Gilberto Vieira.

A pesquisa foi feita, em 2012, por 100 jovens da mesma faixa de idade, que também moram nas comunidades e participam do projeto Solos Culturais. Eles são chamados de solistas e receberam no sábado (27) os certificados de formação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Durante um ano tiveram aulas e diversas atividades."Essa formação foi múltipla e variada, por meio de professores da UFRJ, UFF [Universidade Federal Fluminense], pesquisadores e por outros jovens que vieram para colaborar. A maioria dos professores veio das áreas de comunicação, de artes, história, geografia", contou Vieira.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Igreja Evangélica que acolhe fiéis homossexuais abre templo em São Paulo

A igreja evangélica “Cristã Contemporânea”, fundada há 7 anos, acolhe a todos independentemente da orientação sexual, e é frequentada por fiéis LGBT. Inaugurou neste fim de semana o 8º templo, e o 1º na capital paulista.

O pastor Marcos, fundador da Igreja, afirma que "a homossexualidade nunca foi condenada por Deus e que aquilo que a Bíblia condena são atos de promiscuidade, tanto para heterossexuais como para homossexuais". As relações de amor, de respeito e de família são abençoadas, e independem de orientação sexual, segundo o pastor.

Veja reportagem na TV Brasil, abaixo:

 
*ACORDA, SECOM!: explodiu a visitação aos sites de conteúdo informativo em 2012**visitas cresceram 39%, com 25 milhões de visitantes/ mês**circulação de  jornais rasteja, com avanço de  apenas 1,8% e um  total de 4,52 milhões de exemplares/dia**no caso das revistas, o barco afunda:  queda de 4,6% em circulação; recuo já atinge as assinaturas, com queda de 1%, enquanto as vendas em bancas despencam, menos 8,9% em 2012 (fonte:IVC) **Preços de alimentos despencam no atacado e commodities tem deflação no mercado mundialOrtodoxia uiva e ruge: governo reduz em 41% o arrocho para pagar juros no 1º tri** Arrocho e fraude: o poder da ideologia (Leia aqui) ; e a coluna de Flávio Aguiar .
EXCLUSIVO: 
  
A 'FOLHA' POR DENTRO, DURANTE A DITADURA
‘Em 1970, a redação da Folha, no quarto andar de um prédio da Alameda Barão de Limeira, centro de São Paulo, era espacialmente dividida entre os jornais Folha de S.Paulo, Folha da Tarde e Última Hora e por policiais do DEOPS e do DOI-CODI. Eles espionavam diariamente os jornalistas e os colaboradores. Seguiam de perto, de modo especial, o jornalista Samuel Wainer,que havia negociado o jornal Ultima Hora com Otávio Frias de Oliveira. "Eles acompanham todos os meus passos e censuram as minhas informações", queixou-se comigo Wainer. "Eu posso ser preso a qualquer momento", desabafou. Certamente, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, não sabia disto. Economista competente, com o qual trabalhei dois anos no Centro Ecumênico de Documentação e Informação (CEDI), Aloizio Mercadante desconhece também que eu fui um dos jornalistas presos em janeiro de 1974. No portão de entrada da Folha'.(Dermi Azevedo; leia a íntegra nesta pág)
(Carta Maior; 3ª feira, 30/04/2013)
 
O Paraguai de sempre
 
 

segunda-feira, 29 de abril de 2013

LEITORES DA MÍDIA FASCISTA DO EIXO RIO-SP...CERTAMENTE, ESTÃO POR TRÁS DESSE ATAQUE HEDIONDO



Nordestino espancado por neonazistas diz que já havia sido vítima do grupo
Foto: Reprodução/Extra
O nordestino Cirley Santos, espancado por um grupo jovens que se autointitulam “skinheads” neste sábado (27) em Niterói, Região Metropolitana do Rio, garante que já havia sendo perseguido pelo bando há algum tempo. Em entrevista ao jornal Extra, ele disse que se tornou alvo desde que passou a se interessar por músicas jamaicanas. “Eles me chamaram de nordestino de merda antes de me atacar. Gritaram o nome de (Adolf) Hitler. Essa não foi a primeira vez que fui atacado por um deles. Às vezes, esbarrava com eles em alguns shows. Desde que eu passei a assumir minha paixão por músicas jamaicanas, me tornei alvo. A primeira vez que fui agredido foi há mais ou menos um ano. Foi porque eu estava com uma blusa que tinha a bandeira da Jamaica”, contou. De acordo com Cirley, que nasceu em Natal, Rio Grande do Norte, a abordagem deste sábado aconteceu enquanto ele distribuía currículos. Dois homens o teriam agredido com socos e fugido em seguida. A vítima, no entanto, conseguiu pedir ajuda a guardas municipais que estavam perto da Praça Arariboia, no centro de Niterói. Os agentes encontraram os agressores dentro de um carro Peugeot preto, próximo ao local. No veículo, estava o restante do grupo, um soco inglês, duas facas, um bastão, bandeiras e panfletos com suásticas estampadas. Os jovens vão responder pelos crimes de intolerância de cor, raça, etnia e religião, fabricação, comercialização ou veiculação de símbolos, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizam a cruz suástica para divulgação do nazismo, lesão corporal, formação de quadrilha e corrupção de menores.