segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

2016 SE ANUNCIA CHEIO DE GRANDES ESPERANÇAS PARA O NOSSO SOFRIDO POVO. O BANDIDO EDUARDO CUNHA E SUA GANGUE DE MALFEITORES FORAM DERROTADOS PELAS FORÇAS PROGRESSISTAS BRASIL AFORA... E, O ESCROQUE ZÉ CARAMUJO (CLONE DO CUNHA AQUI NA TERRINHA) E A CLEPTOLIGARQUIA DOS DOURADOS TERÃO O MESMO DESTINO...TAMBÉM, SERÃO DERROTADOS PELAS FORÇAS PROGRESSISTAS LOCAIS. A PROVA, É O SEU NÍVEL DE DESMORALIZAÇÃO PERANTE A POPULAÇÃO. Até as pessoas menos esclarecidas ( OS CHAMADOS VOTOS DE CABRESTO, seus eleitores naturais) da periferia e dos rincões mais atrasados deste vasto município fazem chacota quando escutam o nome da peça. Os pronomes de tratamento vão desde O SUAVE ''BODÃO VÉIO TRETEIRO'' (alcunha atribuída à essa nefasta figura pelo NOSSO BENQUISTO FAMOSO FILÓSOFO TADEU); até adjetivos impublicáveis, proferidos pelos clientes de bares e tavernas daqui da sede, e, nas populares feiras e botequins do resto do município. Quem viaja pelo interior do município se assusta com os adjetivos pejorativos usados pelos moradores dessas pequenas comunidades para se referir à esse deputado picareta. Outro dia , estive em Fedegosos...rapaz!...nem as donzelas do cabaré da Dona Antonieta (segundo o meu avô) eram tratadas com tamanha ''REVERÊNCIA E RESPEITO'' PELA CONSERVADORA E MORALISTA população daquela época. Foi aí então que eu me dei conta do grau de DESMORALIZAÇÃO desse elemento...o sujeito tá MAIS SUJO QUE PAU DE GALINHEIRO perante o que outrora era considerado o seu eleitorado. É como diz o velho ditado: a sujíssima reputação desse DITADOR DE CADEIRAS LARGAS COMADRE MEXERIQUEIRA ''BODÃO VÉIO'' (como diz tadeu)...nem 'reza de Pade', de Bispo, de Cardeal e de Papa, levanta mais rssss. Modéstia à parte, é inegável que essa é uma das GRANDES VITÓRIAS DO 'BLOG MORRO NOTÍCIAS SEM CENSURA'...E OUTRAS VIRÃO, PODES CRER!.

Breno Altman é diretor do site Opera Mundi e da revista Samuel

Reorganização na esquerda enfraquece golpe



:


 
CUNHA É BANDIDO ESCOLADO...QUEM JÁ COMEU NA SUA MÃO QUE PONHA AS BARBAS DE MOLHO. AGORA EU ENTENDO O PORQUE DE ZÉ CARAMUJO DECLARAR À FOLHA DE SÃO PAULO ''QUE NÃO PREGA UZÓIO À NOITE".
O fato mais importante da semana passada, apesar da importante decisão regulatória do STF sobre o processo de impeachment e a queda de Joaquim Levy, foi a forte mobilização em defesa da legalidade democrática.
Movimentos populares, entidades sindicais e partidos políticos do campo progressista conseguiram, pela primeira vez desde 2013, colocar mais gente nas ruas que as forças conservadoras.
O comparecimento à jornada do dia 16 de dezembro bateu, com folga, as falanges que marcaram presença no dia 13. O placar fechou em 250 mil vermelhos contra 65 mil azuis.
O destaque ficou por conta da quantidade de cidades envolvidas, mais de quarenta, e a intensa participação da juventude, boa parte de forma espontânea e sem estar integrada às organizações tradicionais.
De alguma forma, reaviva-se o clima do segundo turno das presidenciais de 2014.
Seria prematuro afirmar que a esquerda esteja virando o jogo a seu favor, na longa disputa que divide o país. Mas é fato que a perspectiva de impedimento presidencial, moldado por armações antidemocráticas, vai disseminando sentimento de resistência ao retrocesso e ao atropelo institucional.
A resposta oferecida a essa situação tem sido decisiva.
Não se trata de apoiar o governo Dilma contra seus oponentes, mas de defender a democracia contra seus inimigos.
Esta é narrativa que vem permitindo unificar, em uma mesma corrente de mobilização, da ortodoxia governista a parcelas consideráveis da oposição de esquerda, passando por amplos setores da sociedade que mergulharam no desalento após as eleições de 2014, frustrados pela guinada à direita do segundo mandato da presidente reconduzida.
Não é à toa o caráter autônomo das manifestações, convocadas por coalizões de movimentos nas quais partidos de governo — como o PT e o PC do B — exercem papel secundário, abrindo espaço para um novo pacto de unidade e ação no bloco progressista.
A ferramenta mais interessante desta empreitada talvez seja a Frente Brasil Popular. Organizadora principal do 16D, está se consolidando como sujeito relevante no intrincado tabuleiro político do país.
Nascida fora da lógica eleitoral, possui liberdade para combinar defesa da democracia com forte ativismo pela mudança programática do governo e sua composição ministerial.
Com o advento da FBP, em conjunto com outras alianças do gênero, a esquerda recupera chance de se emancipar do papel de apêndice da institucionalidade, readquirindo protagonismo na disputa dos rumos de uma administração policlassista e pluripartidária.
Outras legendas também compõem a frente, além de petistas e comunistas, mas sua agenda não está pautada pela dinâmica das urnas.
O objetivo fundamental desta iniciativa, ao menos na etapa atual, é reorganizar forças na sociedade que sejam capazes de criar novas condições para a construção da hegemonia dos trabalhadores sobre o processo político, de fora para dentro do Estado.
Apenas três meses de fundada, a Frente Brasil Popular revelou poder de fogo em sua avant-première.
Certamente não foi a única responsável pela mobilização multitudinária da última quarta-feira, mas sua orientação política passou vitoriosamente por importante teste.
Ao associar a campanha contra o golpe à crítica da política econômica, mesclando ambas posições à reivindicação de degola do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, estabeleceu programa mínimo necessário para unir, de forma generosa, o conjunto do campo progressista.
O conservadorismo contava com a paralisia da esquerda, desnorteada e dividida pelas decisões adotadas pelo governo em 2015, mas foi surpreendido por sua capacidade de reinvenção, no momento mais decisivo da escalada antidemocrática.
Também a presidente exibe sinais, embora tímidos, de compreender que não haverá saída positiva para a crise sem restabelecer conexão com as bases sociais que permitiram sua reeleição, o que depende de redirecionamento robusto das políticas de governo.
A audiência da chefe de Estado com uma delegação da FBP, no dia seguinte às mobilizações, expôs a essência do problema: as forças que defendem a legalidade de seu mandato também reivindicam programa de emergência para a retomada do crescimento econômico, a proteção do emprego e a recuperação da renda familiar, com diminuição da taxa de juros e retomada do investimento público.
A presidente foi solicita e atenciosa, buscou dialogar com críticas e demandas, mas ainda não parece decidida sobre o caminho a tomar diante da encruzilhada na qual está paralisada sua gestão.
O cenário, portanto, ainda é turvo e perigoso.
O golpismo viveu, de toda maneira, sua pior semana, ao mesmo tempo em que o Palácio do Planalto resolveu suspender, ainda que tropegamente, a linha de recuo desordenado que estava em vigência desde janeiro.
A contribuição das manifestações populares do dia 16 na reconfiguração da situação política não deve ser menosprezada.
O impeachment está mais distante, ainda que a ameaça continue real e visível.
O deputado Eduardo Cunha está subindo lentamente a escada para o patíbulo.
Joaquim Levy já não é mais ministro, mesmo que sejam muitas as dúvidas do que se passará com a política econômica.
Não é nada, não é nada, já é alguma coisa.
Para as forças progressistas, o ano termina um pouco melhor do que começou.

Colunistas


Colunista

Respeito ao voto popular

Carlos Zarattini
A sensação vivida hoje no Congresso é de profundo desalento ao se vivenciar uma crise política institucional gerada por uma oposição que torce contra o Brasil
Colunista

O falso exemplo de Azeredo

Guilherme Scalzilli
Continua inexistindo qualquer equilíbrio no tratamento dado a petistas e tucanos pelas cortes. O viés partidarizado manchou jurídica e moralmente os últimos dez anos de combate à corrupção no país
Colunista

Atores do golpismo

Jeferson Miola
Tucanos, como Aécio, FHC, Alckmin e Serra, são atores do golpe, mas não estão sozinhos. A eles se juntam Eduardo Cunha, Michel Temer, Gilmar Mendes e a mídia
Colunista

Burros n'água

Lelê Teles
Quando li a cartinha desaforada de Temer, cheia de mimimi, abandonando a presidenta e se jogando nos braços dos golpistas eu pensei: man, esse cabra tá se precipitando
Colunista

2015: O Ano em que Oposição governou o Brasil (Ou o Ano da Infâmia)

Daniel Quoist
Ano repleto de urucubacas planejadas e levadas à execução por uma oposição política reacionária, radical de direita e de matriz golpista, daquele tipo que não se conforma com derrota nas urnas e, no tapetão, pretende "zerar" o jogo democrático. E não importa quais os meios a usar, desde que faça o candidato derrotado nas urnas  se sentir vencedor
Colunista

O dia do Fica Dilma

Fátima Bezerra
A Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo estão de parabéns por inscrever o dia 16 de dezembro de 2015 definitivamente em nossa história como o Dia do Fica, o dia do Fica Dilma e do Fora Cunha, o dia da unidade em defesa da democracia e contra o golpismo
Colunista

'Em breve, nem se falará mais em impeachment'

Eduardo Guimarães
Entrevistado por Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania, o jurista Dalmo Dallari afirma que o STF "por sua ampla maioria, está muito consciente da importância de sua missão constitucional"; para ele, o impeachment "é cheio de controvérsias, envolve muitos interesses políticos, além de outros interesses"
Colunista

Golpismo naufragado

Jandira Feghali
Entraremos em 2016 enlaçados à certeza de que é preciso seguir com nosso lado na política, defendendo um projeto político vitorioso nas urnas com seus mais de 54 milhões de votos. Aliás, um projeto constantemente atacado por forças oportunistas e sem autoridade moral e política alguma para tal. Sem credibilidade ou ética, eles marcham numa missão que fracassará fragorosamente; artigo de Jandira Feghali
Colunista

Por que Cunha ainda não está preso mesmo?

Lula Miranda
Chega a ser um verdadeiro ACINTE que este senhor ainda esteja gozando de liberdade; chega a ser uma VERGONHA – até aos olhos do mundo que nos observa – que este senhor, acusado de tantos, tamanhos, reiterados e inúmeros crimes esteja, ainda hoje, sentado na cadeira de presidente da Câmara dos Deputados; ocupando a segunda posição na linha sucessória

Nenhum comentário: